LIVROS e LEITURA(S)
175.6K views | +5 today
Follow
LIVROS e LEITURA(S)
(Para aceder ao índice de assuntos clicar na espécie de taça ou funil, em cima à direita)
Curated by BiblioBeiriz
Your new post is loading...

Temas mais populares (consulte para os outros o índice alfabético)

Current selected tag: 'Valter Hugo Mãe'. Clear.
Scooped by BiblioBeiriz
Scoop.it!

Histórias pela Paz

Histórias pela Paz | LIVROS e LEITURA(S) | Scoop.it
Entre os vários livros expostos na BE- a propósito da comemoração pelas histórias do Dia Internacional da Paz -  em que os temas da Paz e Tolerância são abordados, os seguintes têm tido a preferência dos professores que aderiram à iniciativa (carregar nas imagens para saber mais):  

"Apesar de tudo" in  A Minha Melhor História…

more...
No comment yet.
Scooped by BiblioBeiriz
Scoop.it!

A Verdadeira História dos Pássaros -Cata Livros

A Verdadeira História dos Pássaros -Cata Livros | LIVROS e LEITURA(S) | Scoop.it

A Verdadeira História dos Pássaros
Valter Hugo Mãe (texto e ilustração), Booklândia/QuidNovi (editora)

Livro completo

Desafios

more...
No comment yet.
Scooped by BiblioBeiriz
Scoop.it!

As Bibliotecas- Valter Hugo Mãe

As Bibliotecas- Valter Hugo Mãe | LIVROS e LEITURA(S) | Scoop.it

Valter Hugo Mãe in Jornal de Letras, 15 a 28 de Maio)

«As bibliotecas são como aeroportos. São lugares de viagem. Entramos numa biblioteca como quem está a ponto de partir. E nada é pequeno quando tem uma biblioteca. O mundo inteiro pode ser convocado à força dos seus livros.

 

Todas as coisas do mundo podem ser chamadas a comparecer à força das palavras, para existirem diante de nós como matéria da imaginação. As bibliotecas são do tamanho do infinito e sabem toda a maravilha.

 

Os livros são família direta dos aviões, dos tapetes-voadores ou dos pássaros. Os livros são da família das nuvens e, como elas, sabem tornar-se invisíveis enquanto pairam, como se entrassem para dentro do próprio ar, a ver o que existe dentro do ar que não se vê.
O leitor entra com o livro para dentro do ar que não se vê.
Com um pequeno sopro, o leitor muda para o outro lado do mundo ou para outro mundo, do avesso da realidade até ao avesso do tempo. Fora de tudo, fora da biblioteca. As bibliotecas não se importam que os leitores se sintam fora das bibliotecas. 

 

Os livros são toupeiras, são minhocas, eles são troncos caídos, maduros de uma longevidade inteira, os livros escutam e falam ininterruptamente. São estações do ano, dos anos todos, desde o princípio do mundo e já do fim do mundo. Os livros esticam e tapam furos na cabeça. Eles sabem chover e fazer escuro, casam filhos e coram, choram, imaginam que mais tarde voltam ao início, a serem como crianças. Os livros têm crianças ao dependuro e giram como carrosséis para as ouvir rir. Os livros têm olhos para todos os lados e bisbilhotam o cima e baixo, o esquerda e direita de cada coisa ou coisa nenhuma. Nem pestanejam de tanta curiosidade. Querem ver e contar. Os livros é que contam.

 As bibliotecas só aparentemente são casas sossegadas. O sossego das bibliotecas é a ingenuidade dos incautos. Porque elas são como festas ou batalhas contínuas e soam trombetas a cada instante e há sempre quem discuta com fervor o futuro, quem exija o futuro e seja destemido, merecedor da nossa confiança e da nossa fé.
Adianta pouco manter os livros de capas fechadas. Eles têm memória absoluta. Vão saber esperar até que alguém os abra. Até que alguém se encoraje, esfaime, amadureça, reclame direito de seguir maior viagem. E vão oferecer tudo, uma e outra vez, generosos e abundantes. Os livros oferecem o que são, o que sabem, uma e outra vez, sem refilarem, sem se aborrecerem de encontrar infinitamente pessoas novas. Os livros gostam de pessoas que nunca pegaram neles, porque têm surpresas para elas e divertem-se a surpreender. Os livros divertem-se. (...) 

 

more...
No comment yet.