Literatura no Século XXI
62 views | +0 today
Follow
Your new post is loading...
Your new post is loading...
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

Sense of Wonder: Literatura Fantástica interviews Jo Walton

Sense of Wonder: Literatura Fantástica interviews Jo Walton | Literatura no Século XXI | Scoop.it
Literatura Fantástica is the new imprint of Spanish publisher RBA devoted to fantasy and science fiction. They have recently published Jo Walton's wonderful Among Others (you can read my review in Spanish), translated by Francisco García ...
more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

MO YAN NOBEL LITERATURA 2012 - SOCIEDAD DE BIBLIÓFILOS ...

MO YAN NOBEL LITERATURA 2012 - SOCIEDAD DE BIBLIÓFILOS ... | Literatura no Século XXI | Scoop.it
Enlarge PhotoAssociated Press/Aritz Parra - In this photo taken Monday, Oct 22, 2007, Chinese writer Mo Yan speaks during an interview at a teahouse in Beijing. Mo won the Nobel Prize for literature Thursday, Oct.
more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

Da literatura para o jornal

Da literatura para o jornal | Literatura no Século XXI | Scoop.it
Nomes importantes da escrita passaram por redações e influenciaram a imprensa...
more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

Jorge Amado e Capitães da Areia | Plano de Aula | Ensino Médio | Nova Escola

Jorge Amado e Capitães da Areia | Plano de Aula | Ensino Médio | Nova Escola | Literatura no Século XXI | Scoop.it
Plano de aula de literatura para o Ensino Médio propõe uma análise da obra Capitães de Areia.
more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

Neusa Gomes Gomes | Scoop.it

Neusa Gomes Gomes | Scoop.it | Literatura no Século XXI | Scoop.it

20/08/2010 às 16:07 \ Vida literária
Notícia da atual literatura brasileira: instinto de internacionalidade

Quem examina a atual literatura brasileira reconhece-lhe logo, como primeiro traço, certo instinto de internacionalidade. A frase que você acaba de ler é uma cópia quase perfeita daquela que abre o mais famoso texto crítico de Machado de Assis, chamado “Notícia da atual literatura brasileira: instinto de nacionalidade”, de 1873. A troca da nacionalidade pela internacionalidade não tem uma intenção rasa de paródia: com sorte, será o ponto de partida para uma tentativa de jogar luz sobre as respostas novas que a literatura brasileira do século 21 – sim, esta mesmo, que contava com 4.203 leitores na última pesquisa – possa estar formulando agora para o velho problema de produzir arte relevante num país situado na periferia econômica e cultural do mundo. Há também, reconheço, uma forma menos benevolente de encarar este parágrafo: como nariz-de-cera (que em jargão de jornalista quer dizer prólogo enfadonho) para uma resenha do recém-lançado romance “O único final feliz para uma história de amor é um acidente” (Companhia das Letras), do escritor carioca João Paulo Cuenca. Espero ser capaz de desmentir essa impressão. O livro de Cuenca é mesmo o gancho deste texto – para insistir no jargão jornalístico – e vai ser abordado na hora certa. Antes disso convém sobrevoar rapidamente um século e pouco de história.

Internacionalidade, palavra dicionarizada mas de uso raro, é aqui um sinônimo de cosmopolitismo, e portanto antônimo de provincianismo. Mas também pode ser, dependendo do contexto, equivalente a desenraizamento, anulação de identidade, em oposição a um saudável mergulho em nossas “raízes” culturais. As configurações do par nacional/internacional nunca foram simples para a cultura brasileira (como provavelmente para a de nenhum país nascido do colonialismo europeu): como expressar uma verdade sobre si mesmo usando uma linguagem alheia, como não produzir apenas adaptações caipiras dos modelos enviados pela matriz? Quando escreveu aquele ensaio, Machado dava uma resposta ousada ao nativismo de José de Alencar e Gonçalves Dias, que acreditavam “nacionalizar” as formas importadas do romance e da poesia ao enchê-las de índios. No lugar dessa ênfase na cor local, na “nacionalidade de vocabulário”, Machado postulava um “sentimento íntimo de nacionalidade”. Aos 33 anos e tendo publicado apenas um romance fraquinho, “Ressurreição”, parecia intuir genialmente a verdade contida na profissão de fé enunciada na última Flip pelo crítico literário inglês Terry Eagleton: “O que me interessa na arte como crítico marxista é a forma, muito mais que o conteúdo. A História habita o texto em seus detalhes linguísticos mais delicados e sutis”.

É provável que a percepção dominante no ambiente intelectual de hoje, em nosso mundo interconectado, seja a de que o “sentimento íntimo de nacionalidade” que Machado de Assis buscava – e que acabaria por alcançar – tenha ficado tão preso no tempo das carruagens quanto sua mania de escrever “cousas”. Não acredito nisso. Se é evidente que se tornou mais complexo o “sentimento de nacionalidade” de gerações que cresceram vendo enlatados na TV, ouvindo rock’n’roll e idolatrando Indiana Jones ou Jaspion, influências que necessariamente vão expressar como parte de qualquer possível “verdade interior”, não me parece que isso represente uma mudança estrutural em relação ao cosmopolitismo eurocêntrico que Joaquim Nabuco professava em 1900, no clássico “Minha formação”, ao escrever que era “antes um espectador do meu século do que do meu país; a peça é para mim a civilização, e se está representando em todos os teatros da humanidade, ligados hoje pelo telégrafo”. Sai o telégrafo, entra a internet, persiste o deslocamento. Assim como persiste um nó: que cambalhota precisa dar um artista para, sendo produto de uma cultura em posição de acachapante déficit comercial com o vasto mundo, devolver a esse mundo uma resposta que não seja apenas o pálido reflexo de um reflexo? Em outras palavras: que contribuição original pode dar o Brasil – no caso que interessa aqui, por meio da literatura – ao famigerado Concerto das Nações?

A pergunta pode parecer um disparate, especialmente num momento em que nossa literatura vem fracassando até na tarefa básica de conquistar o leitor doméstico, mas foi uma inquietação desse tipo que orientou as melhores reflexões críticas do século passado (as deste século ainda não mostraram a cara). Como fazer a arte transcender a dependência? A antropofagia modernista apostou numa carnavalizante – e irônica – deglutição do elemento estrangeiro, uma linha que seria retomada pelo Tropicalismo. O romance de 30 preferiu a abordagem realista das mazelas políticas e sociais geradas por aquela dependência, uma linha que seria retomada sobretudo na poesia e no teatro engajados dos anos 60. Guimarães Rosa encontrou uma vereda original ao levar o experimentalismo formal para passear no sertão. Clarice Lispector, também original, optou por uma apneia suicida em si mesma. O Rubem Fonseca dos anos 60 e 70 inventou uma aguda modernidade urbana – que até hoje projeta uma sombra comprida – com seus marginais impenitentes. Acertos isolados não foram suficientes para demover de seu pessimismo o crítico Antonio Candido: no clássico “Formação da literatura brasileira”, de 1959, ele afirma que, “comparada às grandes, a nossa literatura é pobre e fraca. Mas é ela, não outra, que nos exprime”. Destino terrível, o de ser expresso por “um galho secundário da [literatura] portuguesa, por sua vez arbusto de segunda ordem no jardim das Musas”. Deveríamos desistir?

A pergunta é retórica, claro. Não há desistência possível. Se o otimismo é uma característica que, como a ingenuidade, renova-se a cada nascimento, acredito ser um bom sinal a forma desencanada – para não dizer voraz – de dialogar com o mundo inteiro e incorporar elementos da cultura de massa que nos pariu, característica de grande parte da literatura contemporânea escrita em português brasileiro, com todas as adaptações de linguagem que isso implica. Descontados os exageros de pose que podem vir no pacote (“Eu escrevo assim porque leio os jovens escritores da Moldávia, conhece algum?”), parece legítimo supor que as inéditas velocidade e amplitude da circulação de informações em nosso tempo alterem alguma variável da velha equação de dependência cultural, num momento em que a própria ideia de “cultura nacional” é abalada tanto de fora, pelo esburacamento das fronteiras, quanto de dentro, pela pulverização de vozes que nela nunca se sentiram representadas.

E ainda nem falei do livro de Cuenca, pois é. Segunda-feira eu continuo.

more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

César Vallejo – Estado de la literatura española / The State of ...

César Vallejo – Estado de la literatura española / The State of ... | Literatura no Século XXI | Scoop.it
César Vallejo Estado de la literatura española / The State of Spanish Literature translated from the Spanish by Michael Lee Rattigan published in The Black herald, issue 3, September 2012 / publié dans le n° 3 du Black ...
more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

The Collected Poems of Samuel Beckett – review. | Literatura inglesa

The Collected Poems of Samuel Beckett – review. | Literatura inglesa | Literatura no Século XXI | Scoop.it
Literatura inglesa. Friday, November 9, 2012; Classic Literature; Add a comment. The Collected Poems of Samuel Beckett Edited by Seán Lawlor and John Pilling Faber & Faber, 528pp, £30. Samuel Beckett's poems may well constitute the ...
more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

Arte Moderna

Arte Moderna | Literatura no Século XXI | Scoop.it
No mundo antigo a evolução era muito lenta, pois na época não se tinha conceito de possibilidades de...
more...
No comment yet.
Scooped by Neusa Gomes Gomes
Scoop.it!

Notícia da atual literatura brasileira: instinto de internacionalidade | Todoprosa - VEJA.com

Notícia da atual literatura brasileira: instinto de internacionalidade | Todoprosa - VEJA.com | Literatura no Século XXI | Scoop.it
Quem examina a atual literatura brasileira reconhece-lhe logo, como primeiro traço, certo instinto de internacionalidade.
more...
No comment yet.