Educação Fisica
18 views | +0 today
Follow
Your new post is loading...
Your new post is loading...
Rescooped by Rhode Joaquim de Oliveira from INCLUSÃO
Scoop.it!

Inclusão: 7 professoras mostram como enfrentam esse desafio | Gestão da aprendizagem | Nova Escola

Inclusão: 7 professoras mostram como enfrentam esse desafio | Gestão da aprendizagem | Nova Escola | Educação Fisica | Scoop.it
Reportagem mostra experiências reais que esclarecem dúvidas sobre o trabalho de Educação inclusiva na prática...

Ensinar crianças e jovens com necessidades educacionais especiais (NEE) ainda é um desafio. Nos últimos dez anos, período em que a inclusão se tornou realidade, o que se viu foi a escola atendendo esse novo aluno ao mesmo tempo que aprendia a fazer isso. Hoje ainda são comuns casos de professores que recebem um ou mais alunos com deficiência ou transtorno global do desenvolvimento (TGD) e se sentem sozinhos e sem apoio, recursos ou formação para executar um bom trabalho. Dezenas de perguntas recebidas por NOVA ESCOLA tratam disso. Mas a tendência, felizmente, é de mudança - embora lenta e ainda desigual. A boa-nova é que em muitos lugares a inclusão já é um trabalho de equipe. E isso faz toda a diferença.

A experiência de Roberta Martins Braz Villaça, da EMEB Helena Zanfelici da Silva, em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, comprova isso. Entre seus 24 alunos da pré-escola está Isabelly Victoria Borges dos Santos, 5 anos, que tem paralisia cerebral. Apesar do comprometimento motor, a menina tem a capacidade cognitiva preservada. Na escola desde o ano passado, ela participa de todas as atividades. "Os conteúdos trabalhados em sala são os mesmos para ela. O que eu mudo são as estratégias e os recursos", explica a professora. 

Isabelly se comunica por meio da expressão facial. Com um sorriso ela escolhe as cores durante uma atividade de pintura. No parque, com a ajuda das placas de comunicação, decide se quer brincar de blocos de montar ou no escorregador. Nas atividades de escrita, indica quais letras móveis quer usar para formar as palavras e já reconhece o próprio nome. "Ela tem avançado muito e conseguido acompanhar a rotina escolar", comemora a professora. 

Roberta não está sozinha nesse trabalho. Ela conta com o apoio diário de uma auxiliar, que a ajuda na execução das atividades, na alimentação e na higiene pessoal de Isabelly. Outra parceira é a professora do atendimento educacional especializado (AEE). Num encontro semanal de uma hora, elas avaliam as necessidades da menina, pensam nas estratégias a utilizar e fazem a adaptação dos materiais. 

Inaugurada em 2001, a escola em que Roberta leciona já foi construída levando em conta a inclusão: o projeto previa um elevador e um espaço para uma futura sala de recursos. Mas daí a funcionar com qualidade, com materiais diversos e uma equipe afinada, foi um longo caminho. "Somente em 2005 passamos a contar com estagiários e auxiliares em sala", lembra a diretora, Maria do Carmo Tessaroto. 

Gestores preocupados com a questão e que buscam recursos e pessoal de apoio fazem da inclusão um projeto da escola. Dessa forma, melhoram as condições de trabalho dos professores, que passam a atuar em conjunto com um profissional responsável pelo AEE, a contar com diferentes recursos tecnológicos e a ter ciência de que o aluno com deficiência ou TGD não é responsabilidade exclusivamente sua. Com a parceria da família, as possibilidades de sucesso são ainda maiores, como você verá nas páginas a seguir. Com base nas experiências de professoras que atendem alunos com NEE, respondemos às seis perguntas mais recorrentes enviadas à redação. Essas educadoras certamente indicarão caminhos para você que, como elas, trabalha para fazer a inclusão de verdade.

 


Via Nilza Oliveira
more...
No comment yet.
Rescooped by Rhode Joaquim de Oliveira from Educação Fisica
Scoop.it!

Paraolimpíadas 2012

Paraolimpíadas 2012 | Educação Fisica | Scoop.it

  A Paraolimpíada de 2012 foi realizada em Londres, na Grã Bretanha, entre 29 de agosto e 9 de setembro, sendo a 14º edição do evento.


Via Ana Cristina Fermino, Rhode Joaquim de Oliveira
more...
Rhode Joaquim de Oliveira's comment, October 24, 2012 7:04 PM
Os jogos paraolimpicos deixam claro que o portador de necessidades especiais conseguem superar suas limitações e vão além de nossas capacidades físicas.
Rescooped by Rhode Joaquim de Oliveira from Alexandre D. Moraes
Scoop.it!

Blog do Cadeirante: Destaque no tênis em cadeira de rodas

Blog do Cadeirante: Destaque no tênis em cadeira de rodas | Educação Fisica | Scoop.it
Para provar que a superação vem de nós mesmos, mais um exemplo de determinação e força de vontade: o atleta do tênis em cadeira de rodas Fábio Wanderson, representando a Ong Tênis Para Todos, chega à final da ...

Via Alexandre D. Moraes
more...
No comment yet.
Rescooped by Rhode Joaquim de Oliveira from INCLUSÃO
Scoop.it!

Inclusão: 7 professoras mostram como enfrentam esse desafio | Gestão da aprendizagem | Nova Escola

Inclusão: 7 professoras mostram como enfrentam esse desafio | Gestão da aprendizagem | Nova Escola | Educação Fisica | Scoop.it
Reportagem mostra experiências reais que esclarecem dúvidas sobre o trabalho de Educação inclusiva na prática...

Ensinar crianças e jovens com necessidades educacionais especiais (NEE) ainda é um desafio. Nos últimos dez anos, período em que a inclusão se tornou realidade, o que se viu foi a escola atendendo esse novo aluno ao mesmo tempo que aprendia a fazer isso. Hoje ainda são comuns casos de professores que recebem um ou mais alunos com deficiência ou transtorno global do desenvolvimento (TGD) e se sentem sozinhos e sem apoio, recursos ou formação para executar um bom trabalho. Dezenas de perguntas recebidas por NOVA ESCOLA tratam disso. Mas a tendência, felizmente, é de mudança - embora lenta e ainda desigual. A boa-nova é que em muitos lugares a inclusão já é um trabalho de equipe. E isso faz toda a diferença.

A experiência de Roberta Martins Braz Villaça, da EMEB Helena Zanfelici da Silva, em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, comprova isso. Entre seus 24 alunos da pré-escola está Isabelly Victoria Borges dos Santos, 5 anos, que tem paralisia cerebral. Apesar do comprometimento motor, a menina tem a capacidade cognitiva preservada. Na escola desde o ano passado, ela participa de todas as atividades. "Os conteúdos trabalhados em sala são os mesmos para ela. O que eu mudo são as estratégias e os recursos", explica a professora. 

Isabelly se comunica por meio da expressão facial. Com um sorriso ela escolhe as cores durante uma atividade de pintura. No parque, com a ajuda das placas de comunicação, decide se quer brincar de blocos de montar ou no escorregador. Nas atividades de escrita, indica quais letras móveis quer usar para formar as palavras e já reconhece o próprio nome. "Ela tem avançado muito e conseguido acompanhar a rotina escolar", comemora a professora. 

Roberta não está sozinha nesse trabalho. Ela conta com o apoio diário de uma auxiliar, que a ajuda na execução das atividades, na alimentação e na higiene pessoal de Isabelly. Outra parceira é a professora do atendimento educacional especializado (AEE). Num encontro semanal de uma hora, elas avaliam as necessidades da menina, pensam nas estratégias a utilizar e fazem a adaptação dos materiais. 

Inaugurada em 2001, a escola em que Roberta leciona já foi construída levando em conta a inclusão: o projeto previa um elevador e um espaço para uma futura sala de recursos. Mas daí a funcionar com qualidade, com materiais diversos e uma equipe afinada, foi um longo caminho. "Somente em 2005 passamos a contar com estagiários e auxiliares em sala", lembra a diretora, Maria do Carmo Tessaroto. 

Gestores preocupados com a questão e que buscam recursos e pessoal de apoio fazem da inclusão um projeto da escola. Dessa forma, melhoram as condições de trabalho dos professores, que passam a atuar em conjunto com um profissional responsável pelo AEE, a contar com diferentes recursos tecnológicos e a ter ciência de que o aluno com deficiência ou TGD não é responsabilidade exclusivamente sua. Com a parceria da família, as possibilidades de sucesso são ainda maiores, como você verá nas páginas a seguir. Com base nas experiências de professoras que atendem alunos com NEE, respondemos às seis perguntas mais recorrentes enviadas à redação. Essas educadoras certamente indicarão caminhos para você que, como elas, trabalha para fazer a inclusão de verdade.

 


Via Nilza Oliveira
more...
No comment yet.
Rescooped by Rhode Joaquim de Oliveira from INCLUSÃO
Scoop.it!

GOIÁS INCLUI: Integração X Inclusão

GOIÁS INCLUI: Integração X Inclusão | Educação Fisica | Scoop.it

GOIÁS INCLUI

INCLUSÃO: "A inclusão de alunos/as que apresentam necessidades educacionais especiais nas escolas tem se efetivado com alguns conflitos e dificuldades. Umas destas dificuldades é a superação de determinados saberes. Esses saberes, imaginários, representações e práticas de exclusão precisam ser analisados pelos/as educadores/as para que possam intervir em seu cotidiano escolar, construindo novos saberes e representações, bem como efetivando práticas inclusivas."(OLIVEIRA,2006).

      Neste espaço pode-se escrever as experiências boas e ruins, é uma forma de passar para os outros nossas dificuldades ao trabalharmos em um país que as Leis e Decretos ficam apenas no papel. Quando criei este blog queria tão somente desabafar a frustração de ver tantos alunos aqui em Goiânia sem intérprete de libras, provocado pelo descaso do governo, mas depois percebi que poderia fazer mais, então comecei a postar textos de pessoas que nem conheço e gostei de ter lido. Achei que compartilhando esse material estaria ajundando outras pessoas em suas pesquisas, o que eu não pensei é que teria tanto acesso em tão pouco tempo, visto que meu blog foi criado em abril de 2011. Gostaria de agradecer a todos que têm acessado este blog, e espero ter ajudado e contribuido com alguma coisa. Se você tiver um texto que possa me enviar eu o postarei, assim estará me ajudando também.(regisneia@gmail.com)      


Via Nilza Oliveira
more...
No comment yet.
Rescooped by Rhode Joaquim de Oliveira from Jogos Paraolímpicos
Scoop.it!

Paraolimpíadas 2012

Paraolimpíadas 2012 | Educação Fisica | Scoop.it

  A Paraolimpíada de 2012 foi realizada em Londres, na Grã Bretanha, entre 29 de agosto e 9 de setembro, sendo a 14º edição do evento.


Via Ana Cristina Fermino
more...
Rhode Joaquim de Oliveira's comment, October 24, 2012 7:04 PM
Os jogos paraolimpicos deixam claro que o portador de necessidades especiais conseguem superar suas limitações e vão além de nossas capacidades físicas.
Rescooped by Rhode Joaquim de Oliveira from INCLUSÃO
Scoop.it!

GOIÁS INCLUI: Integração X Inclusão

GOIÁS INCLUI: Integração X Inclusão | Educação Fisica | Scoop.it

GOIÁS INCLUI

INCLUSÃO: "A inclusão de alunos/as que apresentam necessidades educacionais especiais nas escolas tem se efetivado com alguns conflitos e dificuldades. Umas destas dificuldades é a superação de determinados saberes. Esses saberes, imaginários, representações e práticas de exclusão precisam ser analisados pelos/as educadores/as para que possam intervir em seu cotidiano escolar, construindo novos saberes e representações, bem como efetivando práticas inclusivas."(OLIVEIRA,2006).

      Neste espaço pode-se escrever as experiências boas e ruins, é uma forma de passar para os outros nossas dificuldades ao trabalharmos em um país que as Leis e Decretos ficam apenas no papel. Quando criei este blog queria tão somente desabafar a frustração de ver tantos alunos aqui em Goiânia sem intérprete de libras, provocado pelo descaso do governo, mas depois percebi que poderia fazer mais, então comecei a postar textos de pessoas que nem conheço e gostei de ter lido. Achei que compartilhando esse material estaria ajundando outras pessoas em suas pesquisas, o que eu não pensei é que teria tanto acesso em tão pouco tempo, visto que meu blog foi criado em abril de 2011. Gostaria de agradecer a todos que têm acessado este blog, e espero ter ajudado e contribuido com alguma coisa. Se você tiver um texto que possa me enviar eu o postarei, assim estará me ajudando também.(regisneia@gmail.com)      


Via Nilza Oliveira
more...
No comment yet.