Inovação Educacional
325.9K views | +11 today
Follow
 
Scooped by Luciano Sathler
onto Inovação Educacional
Scoop.it!

Rede profissionalizante abre cem escolas em 2013

A rede de ensino profissionalizante Microlins vai abrir mais cem unidades até o fim de 2013, segundo o empresário Carlos Wizard Martins, presidente do grupo Multi, dono da marca

O objetivo da empresa, que tem hoje 650 unidades em quase todos os Estados do país, é ampliar a presença em municípios com menos de 100 mil habitantes.

Para colocar o projeto de expansão em prática, foi criado um novo conceito de lojas, segundo Martins.

"A estrutura das unidades será mais enxuta, para atender entre 200 e 300 alunos e ter equilíbrio entre a fonte de receita e o custo", diz.

As escolas convencionais da rede recebem entre 500 e mil alunos.

As novas unidades irão ampliar o foco do atendimento, além do ensino de profissionalizante.

"Faremos também curso de inglês para elevar o tempo de permanência do aluno na escola", afirma.

more...
No comment yet.
Inovação Educacional
Noticias, publicacoes e artigos de opiniao que abram caminhos para a inovacao educacional.
Your new post is loading...
Your new post is loading...
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Higher education institutions need to disrupt or be disrupted

Higher education institutions need to disrupt or be disrupted | Inovação Educacional | Scoop.it

Change in the digital age affects every sector, from banking and retail to healthcare, hospitality and non-profit. Higher education is no different.
The modes and methods of teaching and disseminating knowledge are drastically changing. Consider Google’s free machine-learning courses – “ flipped” classrooms where students watch a taped lecture and use class time for discussion, or the first artificial intelligence (AI) robot teaching assistant.
Is the value added by universities and colleges offered through the lecture format still enough? I suspect the answer is a tentative yes, with the caveat that once other organizations can create credentials of equal or greater value, universities, as they are currently structured, are in trouble.
Most Canadian higher-education institutions experiment with innovation in pockets, but as a sector, we still lag behind. Further, the massive disruption in the job market forces workers to constantly retool their skill sets to stay employable. This requires a flexible system of lifelong education, yet the current system remains focused on people between the ages of 17 and 30. There is no reason learning has to take place within the conventional format of three-hour lectures and 13-week semesters; it can be adapted to focus on 9-to-5 workers.
Universities and colleges also face increasing pressure to improve efficiencies and reduce operating costs. In publicly-funded institutions, students pay only a fraction of what it costs to educate them. In Ontario, with the lowest government grant-to-student ratio, we are like lemmings heading toward our abyss. The model of postsecondary education funding in Canada is broken, and we need to address it.
How do we best prepare postsecondary institutions for the inevitable disruption to our unsustainable sector?
EDUCATE ADMINISTRATORS AND BOARDS OF GOVERNORS ON DISRUPTION
Have a discussion on how to best prepare your institution to stay on the cutting edge, bringing students the benefits of technologically-enhanced experiential learning, where students can develop skills and experiences through work placement or co-op opportunities while having access to great facilities and esteemed scholars. Set benchmarks to measure innovation outcomes.
PARTNER WITH THE PRIVATE SECTOR
Partnerships with industry to enhance experiential learning are key to prepare grads for jobs of the future. For example, the University of Ontario Institute of Technology’s Automotive Centre of Excellence (ACE) facility with its state-of-the-art climatic wind tunnel provides opportunities for students to work with industry partners, conducting research on real-world issues, gaining valuable hands-on experience.
TURN RISK MANAGEMENT INTO OPPORTUNITY
Instead of shunning technological advances as threats to the system, embracing change will open up tremendous opportunities. One great example is the STEAM-3D Maker Lab at UOIT’s Faculty of Education, which is a collaborative, learner-centered environment where individuals can come together to build and create.
STORY CONTINUES BELOW ADVERTISEMENT
Disruption is commonplace in my community. The automotive industry that once powered Oshawa has adopted changes in technology, management and manufacturing. In many ways, universities need to embrace that same disruption. Given the rapidly-evolving advances in technology, universities and colleges have no choice but to reinvent themselves or risk becoming obsolete. Disrupt or be disrupted.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Virtual lab to extend reach of science education

Virtual lab to extend reach of science education | Inovação Educacional | Scoop.it

spiring scientists can get free lab access online thanks to a science education platform being developed by the Amgen Foundation and Harvard University. Called LabXchange, it will launch next year with a focus on biology and offer digital instruction and virtual lab experiences, as well as opportunities for collaborating and mentoring, to high school and college students.
“There are many millions of students who, as a result of economic or geographic limitations, simply do not have access to one of the most central aspects of being a scientist, which is working in a laboratory,” said Robert Lue, principal investigator of LabXchange and professor of the practice of molecular and cellular biology at Harvard. “LabXchange addresses this issue with a platform that integrates dynamic experimental simulations with background curriculum and social networking — all created to more effectively expose students of varying backgrounds to the authentic and engaging experience of scientific discovery.”
As founding sponsor, Amgen has awarded $6.5 million in grant funding to Harvard to develop, launch, and grow LabXchange. Amgen will be engaged throughout the development, and its scientists with industry experience will play key advisory roles.
Potential users will test prototypes this summer, and LabXchange is expected to launch globally next year.
“Advances in technology are not only having an incredible impact on how we develop and deliver innovative medicines to patients, but also on how we educate and inspire the next generation of scientists,” said Robert A. Bradway, chairman and chief executive officer at Amgen. “By joining forces with Harvard, LabXchange’s interactive educational platform will give students studying biology around the world access to a unique virtual lab experience for free, dramatically expanding the Amgen Foundation’s reach in science education.”
LabXchange builds on other Amgen projects that support science education, such as the Amgen Biotech Experience, which has reached more than 600,000 high school students, and the Amgen Scholars Program.
LabXchange will be built on the edX platform, the largest online learning platform in the world, with more than 35 million users globally.
“EdX is delighted to be a part of this groundbreaking initiative, which aligns completely with edX’s mission to increase access to high-quality education for all learners, everywhere,” said Anant Agarwal, chief executive officer at edX. “Working with Harvard and the Amgen Foundation will allow us to develop a platform that not only creates positive outcomes for learners looking to engage in the field of scientific research, but expands innovative online learning experiences that are flexible, personalized, and adaptive on a global scale.”
LabXchange is inviting collaboration with high school teachers and undergraduate research mentors to provide feedback on prototypes and insights into the most effective content and forms of interactivity. For more information, visit www.LabXchange.org

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Novas bibliotecas na cidade têm design moderno e clima nada sisudo

Novas bibliotecas na cidade têm design moderno e clima nada sisudo | Inovação Educacional | Scoop.it
Instituições como Insper e ESPM e iniciativas do naipe da Feira Plana inauguraram espaços de leitura com propostas inovadoras
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Proposta de reforma na graduação quer promover liberdade aos alunos

Proposta de reforma na graduação quer promover liberdade aos alunos | Inovação Educacional | Scoop.it
Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, o professor visitante do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP e coordenador do Comitê de Projeto da UFABC e do grupo autor da Proposta de uma Agenda do Futuro, Luiz Bevilacqua, comenta o projeto entregue ao reitor Vahan Agopyan a respeito da reformulação acadêmica e adequação às novas exigências do ensino superior pela USP, em meio a uma onda de choque cultural.
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Eduardo Giannetti: "Ou nós brasileiros nos unimos ou naufragamos"

Visitar a biblioteca do apartamento do economista Eduardo Giannetti, em São Paulo, oferece mais do que a oportunidade de tomar contato com o estilo de vida despojado do mineiro de 61 anos que virou best-seller e palestrante-celebridade. Estar ali é como penetrar no seu pensamento nítido e racional. Muito alto, ele se move pelo recinto como a não ferir o equilíbrio do mobiliário e a ordem das estantes repletas de obras dos autores que o formaram: Adam Smith, Hume, Machado de Assis e Gilberto Freyre. A harmonia do ambiente contrasta com a desordem que assola a vida brasileira, tema que o preocupa. “Tento oferecer uma interpretação do Brasil”, diz, sobre seu 12º livro, “O Elogio do Vira-Lata e Outros Ensaios” (Companhia das Letras). Nesta entrevista, ele justifica a autodescrição de “profeta analítico” e se mostra otimista com o País, cujos problemas, crê, podem ser resolvidos se os brasileiros se reconhecerem naquilo que os une: a paixão, o improviso e a generosidade de um povo mestiço.
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Ministério do Trabalho oferece curso de inglês gratuito e com certificado

Ministério do Trabalho oferece curso de inglês gratuito e com certificado | Inovação Educacional | Scoop.it

A Escola do Trabalhador é uma das ações implementadas pelo Ministério do Trabalho (MTb) visando a qualificação de milhares de trabalhadores brasileiros e o combate ao desemprego. Por meio da Escola são ofertados cursos em em doze eixos, dentre eles há o curso de Inglês Aplicado ao Trabalho.
O curso disponibilizado na Escola do Trabalhador é online, aberto à toda sociedade, com acesso irrestrito, gratuito e sem necessidade de escolaridade prévia. A certificação é realizada pela Universidade de Brasília (UnB) como curso de extensão.
Além da oferta do curso, serão publicadas no Portal da Escola do Trabalhador notícias e informações sobre possibilidades de capacitação profissional, oportunidades de emprego, estágios e outras temáticas relacionadas ao mundo do trabalho e indicadores relacionados ao mundo do trabalho e ao trabalhador.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Oracle confirma operação no Tecnopuc

Oracle confirma operação no Tecnopuc | Inovação Educacional | Scoop.it

Depois de meses de namoro, a gigante de tecnologia Oracle confirmou que vai se instalar no Parque Científico e Tecnológico da Pucrs (Tecnopuc). A assinatura do contrato ocorrerá nos próximos dias e, segundo a multinacional, é um "caminho sem volta".
Neste primeiro momento, cerca de 50 pessoas da operação da companhia em Porto Alegre deverão se transferir para metade do andar de cima do Condomínio de Empresa Inovapuc - a outra parte está sendo ocupada pela Getnet.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Rise of the machines: has technology evolved beyond our control?

Rise of the machines: has technology evolved beyond our control? | Inovação Educacional | Scoop.it
Technology is starting to behave in intelligent and unpredictable ways that even its creators don’t understand. As machines increasingly shape global events, how can we regain control?
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Renda básica universal: a última fronteira do Estado de bem-estar social 

Renda básica universal: a última fronteira do Estado de bem-estar social  | Inovação Educacional | Scoop.it
Os testes com salário garantido para todos os cidadãos independente de estar trabalhando se multiplicam pelo mundo
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Kroton busca crescer e atrair investidor após cortes no Fies

Kroton busca crescer e atrair investidor após cortes no Fies | Inovação Educacional | Scoop.it

A incerteza cresceu após o balanço do primeiro trimestre, com queda no lucro, na base de alunos e a estimativa da empresa de que seu desempenho, em 2018, ficará abaixo do de 2017.
No pregão pós-resultado, as ações caíram 15%. No ano, acumulam queda de 44% —o Ibovespa perde 7,5%.
Quem ficou preocupado avalia que a Kroton se beneficiou de situações exteriores a seu negócio e que não existem mais: a abertura de polos de EAD está liberada e o Fies, que concedeu financiamentos sem critérios nem acompanhamento, diminuiu de tamanho.
Para completar, as aquisições transformacionais não são mais possíveis desde que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) vetou a compra da Estácio.
“O mercado acostumou-se com a Kroton com um crescimento de dois dígitos. A expansão, nos próximos anos, não será tão forte porque será feita de forma orgânica, com a abertura de novos campi”, afirma Carlos Lazar, diretor de relações com investidores da Kroton.
“A empresa segue robusta, embora, assim como as concorrentes, não esteja imune às questões macro do país, como o desemprego”, diz.
O escrutínio do mercado recai em particular sobre o uso do Fies. Há dois anos, os valores das mensalidades desses alunos ficaram públicos e mostraram distorções.
Analistas apontaram que a Kroton —e outras do setor— cobrava mais desses alunos do que daqueles que não tinham o financiamento.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Revolução industrial 4.0 exige de administradores um novo repertório

Revolução industrial 4.0 exige de administradores um novo repertório | Inovação Educacional | Scoop.it

O que fazer para garantir o emprego quando cem mil novos formados na sua profissão são colocados no mercado todos os anos, ao mesmo tempo em que sabe-se que muitas das atribuições da área serão substituídas porrecursos de inteligência artificial na próxima década?
É para esse quadro que administradores devem estar prontos, caso não queiram deixar o diploma na gaveta.
Não é preciso sair da área, mas é urgente mudar a lógica tradicional que ainda dita a grade curricular da maioria dos cursos de administração, avisam os especialistas.
"A academia oferece formação cartesiana e fragmentada, que a remete à Revolução Industrial 1.0, quando estamos na era da revolução industrial 4.0. É um descompasso brutal e que precisa ser ajustado", afirma Mauro Kreuz, diretor da Câmara de Formação Profissional do Conselho Federal de Administração.
O mercado pede profissionais com visão aprofundada das questões geopolíticas que influenciam a gestão, e o ensino segue formando quadros para atuar em níveis operacionais e, portanto, expostos aos riscos da automação.
Gestão de finanças e de agenda e controle de estoque já podem ser feitos por máquinas atualmente.
O que aparentemente é uma fraqueza da área, no entanto, pode ser convertida como oportunidade -para usar termos caros à própria carreira. É que nesta revolução 4.0 -que prega automatização marcada por convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas-, terá espaço o profissional com capacidade de liderança, inovação e de trabalho em equipe. E o campo da administração é fértil para essa formação.
"O curso tem o potencial de formar profissionais que dominam as ferramentas do mundo digital, mas usam a criatividade para apoiar as organizações no desenvolvimento de novos modelos, novos serviços e novas posturas. Isso é nuclear nessa nova configuração do trabalho, muito mais global", diz Renato Guimarães, coordenador da graduação da FGV-EASP (Escola de Administração de Empresas de São Paulo).
É a tônica que a FGV tem trabalhado tanto na formatação do currículo -com foco na internacionalização- como nas conversas do dia a dia com os alunos. "Eles chegam apreensivos. A ideia de fazer carreira em uma grande organização deixou de ser a visão hegemônica do sucesso. Mostramos como eles podem empreender ou ter uma oportunidade em um negócio menor que aposta na inovação", diz Guimarães.
Os alunos entenderam o recado. Aluno do 8º semestre de administração, Victor Manuel Coimbra Antonio também cursa sistemas de informação e é cofundador na FGV de um centro de pesquisas que leva tópicos de inteligência artificial ao mundo acadêmico.
O grupo, de 14 estudantes, ensina programação básica para ajudar os colegas a entrarem no mercado da administração, em projetos de machine learning e big data.
São ferramentas que, se bem utilizadas, trarão benefícios como maior transparência e, logo, menos possibilidade de corrupção em organizações públicas e privadas.
"Temos tecnologias, comoas de block chain [tipo de base de dados distribuída que guarda registro de transações e é à prova de violação], que podem ser utilizadas para intermediar transações. Um contrato inteligente sem risco de alguém fraudar, ou fazer caixa dois", explica Coimba.
Uma pequena mostra de que o papel do administrador não será mais coletar dados, analisar e tomar decisão, mas sim melhorar a coleta, otimizar a análise e decidir. "É só um exemplo de como novas tecnologias podem abrir portas para cargos que nem temos ideia que existirão."

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Professor do MIT diz que metade dos empregos atuais enfrentará mudanças

Professor do MIT diz que metade dos empregos atuais enfrentará mudanças | Inovação Educacional | Scoop.it

Na contramão de tantos estudos pessimistas sobre o impacto da tecnologia na oferta de emprego, o americano Thomas Kochan acredita que a maioria das vagas não desaparecerá no futuro.
Especialista em trabalho e emprego, professor do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) e codiretor do instituto de pesquisa da instituição, ele afirma, porém, que muitas funções serão alteradas pela inteligência artificial, a automação e a robótica.
A saída para garantir trabalho é investir em educação contínua, diz Kochan, um crítico do ensino e da formação profissional em vigor.
Segundo o pesquisador, a escola ainda prepara os alunos para funções do século 20 e todos ainda são estimulados a fazer faculdade, em vez de ensino técnico, mesmo sabendo-se que será alta a demanda por funções médias na automação industrial num futuro próximo.
Para Kochan, com mudanças na formação profissional e reciclagens constantes, as pessoas não perderão o bonde das tecnologias e poderão usá-las para complementar suas funções, em vez de anulá-las. "As empresas procuram pessoas que, como dizem os japoneses, conseguem dar sabedoria às máquinas."
Como evitar que a tecnologia elimine tantas vagas?
O desafio é entender como a tecnologia pode oferecer formas mais eficientes de trabalhar sem anular a presença humana. Um exemplo é o médico. Ele recebia o paciente no consultório, o examinava e fazia o diagnóstico. Agora, ele recebe com os exames uma quantidade cada vez maior de dados para auxiliá-lo. Sua avaliação não deixará de ser necessária mesmo com a automação de parte do diagnóstico. Para que as pessoas aprendam a lidar com essas novidades, precisamos mudar a forma como treinamos os profissionais no mundo todo. Calculo que cerca de metade dos empregos vai passar por mudança para incorporar inovações, mas a maioria deles não será extinta.
Onde o sistema de educação atual erra?
Hoje, a escola ainda prepara os alunos para funções do século 20.
Em matemática, ensinamos a decorar tabelas. Em ciências, mostramos os conceitos de forma abstrata, sem contato com a realidade de ninguém. Depois, todos são estimulados a fazer faculdade, quando deveríamos formar parte desses estudantes no ensino técnico, em funções médias na automação industrial, que continuarão tendo alta demanda no futuro. Não mostramos como resolver problemas integrando diferentes disciplinas ou como usar a tecnologia no dia a dia.
Quais são as habilidades em falta?
Faltam competências analíticas, até mais do que as técnicas e socioemocionais. Esse profissional precisa ter boa capacidade de resolução de problemas e de análise de dados, além de trabalhar bem em equipe, entender as principais novidades tecnológicas e saber incorporá-las no dia a dia do seu trabalho.
Há conhecimentos que já são ou serão úteis para todos?
Vale aprender um pouco de tudo que envolva análise de dados. Um básico de programação também ajuda.
Como treinar esses profissionais?
As empresas devem trabalhar em parceria com as escolas, universidades e faculdades técnicas para averiguar quais serão as competências mais demandadas e preparar as pessoas com base nisso. Cada sociedade precisará decidir se quer se inserir nesse universo de tecnologias de ponta. Se quiser, precisará de força de trabalho de ponta. O profissional deve entender que todo mundo, mesmo os mais velhos, precisa se capacitar. Esse modelo em que você só estuda na juventude está no fim.
As empresas podem participar mais desse processo?
Sim. Nos últimos anos, a maioria das organizações optou por investir em profissionais mais baratos, muitas vezes temporários, e deixou de lado a capacitação de funcionários leais, que já tinham bom tempo de casa. Agora, se queixam da falta de pessoal capacitado.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Novos cargos em TI exigem perfil generalista que englobe de design a negócios

Novos cargos em TI exigem perfil generalista que englobe de design a negócios | Inovação Educacional | Scoop.it

Quem segue carreira em TI (Tecnologia da Informação) já está acostumado a lidar com um mercado mutante, em que as competências exigidas se modificam com rapidez. E, para o futuro próximo, segundo especialistas, a perspectiva é de que os requisitos das vagas se tornem mais diversos e demandem cada vez mais versatilidade.
"O profissional que não se esforçar para ter muitas competências e ser um generalista ficará fora do mercado. Mas esse generalista também não pode ser um 'superficialista'", alerta Pietro Delai, gerente de consultoria e pesquisa da IDC Brasil.
Profissões que exigem um conhecimento global e abrangente do mercado, como a arquitetura de soluções, devem ficar em alta nos próximos anos. Rafael Cichini, diretor-executivo digital do Verity Group, aconselha profissionais de TI a se prepararem para exercer esse tipo de função.
"Hoje, as empresas estão adotando uma arquitetura de software orientada para serviços, mas não existe muita gente pronta para trabalhar com isso. Há grande necessidade de profissionais que entendam de desenvolvimento de software, mas ao mesmo tempo tenham uma boa visão de negócios", afirma Cichini.
Marcelo Nascimento, arquiteto de soluções da mesma empresa, começou como programador, virou analista de sistemas, mas viu a necessidade de expandir seu campo de atuação para ter êxito no mercado.
Carreiras ligadas à inteligência artificial
Marcelo Nascimento, arquiteto de soluções do Verity Group, que começou como programador, virou analista de sistemas, mas viu a necessidade de expandir seu campo de atuação para ter êxito no mercado. "Não adiantava ser só um profissional que entendia uma informação e desenvolvia o sistema", diz 
Nascimento começou a migrar para o campo da arquitetura de soluções entre 2009 e 2012, quando trabalhou na SulAmérica Seguros, na IBM e na BV Financeira, mas só no fim de 2012, quando foi contratado pela Brasilprev, é que assumiu de vez a função.
"Percebi que a TI estava ficando cada vez mais complexa à medida que a tecnologia estava evoluindo. Não adiantava ser só um profissional que entendia uma informação e desenvolvia o sistema. Era necessário saber montar uma proposta de solução, pensar em como todo o sistema deveria funcionar", diz.
Para Cichini, alguns rótulos novos poderão surgir para designar os trabalhos que passarão a ser exercidos. Por exemplo, o de "chief culture officer" -diretor-executivo de cultura-, um especialista em liderar transformações culturais e organizacionais dentro da empresa, relacionando-as com o setor de TI.
Também ganhará força, segundo ele, o designer especializado em experiência do cliente. Cichini acredita que a complexidade cada vez maior da tecnologia demanda um profissional capaz de atuar ao mesmo tempo com design, arquitetura de informação e a área de negócios. "Se as mudanças nos serviços e nos processos não são feitas junto com a interface, você não atende bem o cliente."
Por último, Cichini diz que surgirá um novo tipo de analista, focado em ciência de dados e em inteligência artificial e "machine learning" (aprendizado de máquinas), capaz de dar mais eficiência às decisões de negócio. "Antes, o analista era mais um profissional de marketing, mas, hoje, o marketing está muito misturado com a ciência de dados", explica.
Para se preparar para o novo mercado de TI, é necessário extrapolar a formação tradicional. Fabiano Marques, vice-diretor da Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens), aconselha quem está atrás de formação a conferir se os cursos pretendidos abordam as tendências que o mercado demanda.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

The growth of digital learning

The growth of digital learning | Inovação Educacional | Scoop.it

Most universities and colleges now offer online academic qualifications, making it easier for the career-committed to juggle a full-time job with an education.
While some would bring into question the quality and effectiveness of online courses (especially considering that they might need to take out a Personal Loan to fund their lessons), the truth is that it has become a popular option for those looking to study part-time or unable to apply to a traditional learning institution.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Facebook partners with community colleges to help students with digital literacy

Facebook partners with community colleges to help students with digital literacy | Inovação Educacional | Scoop.it

The world's largest social media company is partnering with community colleges and sharing a curriculum for digital advertising and media training.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

O Brasil que não lê

O Brasil que não lê | Inovação Educacional | Scoop.it
Um levantamento da Unesco mostra que só 3,6% dos alunos de escola pública do Brasil chegam ao fim do ensino fundamental com habilidades avançadas de leitura. Estúdio:Carlos Honorato, pedagogo e mediador de leitura da Biblioteca Comunitária Wagner Vinício; Alessandro Rodrigues Rocha, dir. Instituto Leitura da PUC-Rio e coord. da Cátedra Unesco de Leitura; Zoara Failla, coord do Instituto Pró-Livro
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Estado brasileiro, a eterna vaca leiteira

Estado brasileiro, a eterna vaca leiteira | Inovação Educacional | Scoop.it

O próximo governo vai ter que cortar gastos estatais, senão a ameaça é de inflação galopante. Mas os brasileiros não parecem dispostos a engolir essa pílula amarga.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Nossa jornada de aprendizado em Finanças Sociais e Negócios de Impacto

Nossa jornada de aprendizado em Finanças Sociais e Negócios de Impacto | Inovação Educacional | Scoop.it

Como institutos e fundações podem investir em negócios de impacto socioambiental? Quais
os melhores caminhos e que cuidados tomar? Como monitorar o impacto social dos investimentos? Para responder essas e outras dúvidas comuns quando o tema é investimento de impacto, e inspirados pela Força Tarefa de Finanças Sociais, unimos 22 fundações e institutos familiares, empresariais e independentes com o intuito de aprendermos juntos, criando o FIIMP – Fundações e Institutos de Impacto.
Para compartilhar nossos aprendizados, esta publicação mostra as etapas do processo pelo qual as organizações filantrópicas do FIIMP passaram em 2017 e responde diversas perguntas que podem apoiá-los a iniciar sua jornada de investidor de impacto. Desejamos contar essa trajetória para que outros institutos e fundações compreendam o tema de forma prática e pragmática e esclareçam suas principais dúvidas, de modo que somem, às suas doações já realizadas, investimentos de impacto de forma segura.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Como aprender qualquer coisa (de graça) pela internet – de idiomas a cursos de Harvard

Como aprender qualquer coisa (de graça) pela internet – de idiomas a cursos de Harvard | Inovação Educacional | Scoop.it
Tem curso para quem quer aprender a programar, a falar uma nova língua, entender criptomoedas e até para quem quer estudar psicologia
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

A Copa das ilusões perdidas

Pessimismo com a realidade brasileira joga para escanteio o ufanismo do único país a participar de todos os mundiais e coloca em campo a urgência de uma superação que vai muito além da conquista da taça
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Plataformas monitoram atividade de políticos

Plataformas monitoram atividade de políticos | Inovação Educacional | Scoop.it
Em ano de eleição, iniciativas que aumentam a transparência do processo eleitoral têm ganhado destaque. Lançado em maio de 2018, o aplicativo Detector da Corrupção traz informações judiciais de 850 políticos. A ferramenta reuniu dados de parlamentares relacionados à administração pública de tribunais de todo o País. Para acessar a plataforma, basta instalar o aplicativo no celular e tirar uma foto da imagem de um político ou buscar pelo nome dele. Então, as informações sobre o candidato aparecem na tela.
more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Bancos estimam cortar até 50% das vagas de TI

Bancos estimam cortar até 50% das vagas de TI | Inovação Educacional | Scoop.it

O banco de investimento do Citigroup deu a entender que eliminará mais de metade de seus empregos de tecnologia e operações nos próximos cinco anos, com a aceleração na substituição de seres humanos por máquinas.
A previsão de Jamie Forese, presidente do Citi e do grupo de clientes institucionais do banco, foi a mais severa entre as apresentadas por executivos de bancos de investimento em uma série de entrevistas ao FT (Financial Times) por ocasião do décimo aniversário da crise financeira.
Forese disse que os postos de trabalho operacionais, que respondem por cerca de 40% dos empregos na área de investimento do Citi, eram os “mais férteis para processamento por máquina”.
“Temos 20 mil empregos operacionais. Nos próximos cinco anos, será que poderemos reduzi-los a 10 mil?”, ele acrescentou. 
Seus comentários ecoam a declaração de John Cryan, presidente-executivo do Deutsche Bank, que já afirmara que até metade da força de trabalho do banco alemão seria substituída por tecnologia.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Se pudessem, 62% dos jovens brasileiros iriam embora do país

Se pudessem, 62% dos jovens brasileiros iriam embora do país | Inovação Educacional | Scoop.it

Num piscar de olhos, a população dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná desapareceria do Brasil. Cerca de 70 milhões de brasileiros com 16 anos ou mais deixariam o Brasil se pudessem, mostra o Datafolha.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Capacidade de inovar é a base para vencer corrida contra robôs

Capacidade de inovar é a base para vencer corrida contra robôs | Inovação Educacional | Scoop.it

Carros e caminhões autônomos que se deslocam sem motorista. Assistentes virtuais que atendem clientes de bancos. Aplicativos que dispensam intermediários para alugar imóveis. Supermercados onde não é preciso passar pelo caixa.
Tecnologias como essas podem facilitar a vida de empresas e clientes, mas têm o efeito colateral de acabar com uma série de postos de trabalho. É algo que já vem acontecendo desde a Revolução Industrial, mas a rápida evolução da inteligência artificial trouxe de volta os temores de um possível desemprego em massa na era da automação.
Segundo estimativas, as máquinas podem substituir um terço dos empregos em cerca de dez anos. Funções mecânicas, com tarefas repetitivas e que seguem padrões, estão entre as mais suscetíveis.
Há quem discorde de previsões apocalípticas. "É impossível a inteligência artificial substituir um terço dos empregos. Há mais de 3 bilhões de pessoas empregadas no mundo, seria um desastre econômico", diz John-David Lovelock, vice-presidente de pesquisas da consultoria Gartner.
A inteligência artificial não dá conta de realizar todas as tarefas que esses trabalhadores fazem e, em muitos casos, isso não é economicamente viável, segundo ele.
Para Lovelock, tarefas mais automáticas serão, de fato, substituídas por máquinas, mas, em poucos anos, também serão criados postos ligados às novas tecnologias.
Fernando Madani, coordenador do curso de engenharia de controle e automação do Instituto Mauá, não acredita no desaparecimento total da maioria das profissões. "Alguns cargos de apoio vão ser mantidos para gerenciar dificuldades, tomar decisões. Acho difícil zerar a necessidade do ser humano."
Outra ponderação é que muitas funções que devem ser substituídas por máquinas são desgastantes e até perigosas. "Muitas empresas percebem a robotização como uma oportunidade não só de melhorar sua produtividade, mas de destinar funcionários para funções mais criativas", diz Oliver Kamakura, sócio de consultoria em gestão de pessoas da Ernst & Young.
Quem trabalha em uma área que pode enfrentar redução na demanda deve se adiantar às mudanças, diz Irene Azevedoh, diretora de Transição de Carreira e Gestão da Mudança da Lee Hecht Harrison: "O caminho é estar de olho no futuro, analisando o que pode afetar a sua carreira e o que você tem que aprender para dar o próximo passo".
Segundo um estudo da consultoria PwC feito no Reino Unido, o risco de ser substituído por um robô cai de 46% para quem tem o ensino médio incompleto para 12% para quem tem nível universitário. "O fator-chave de diferenciação é a educação", diz o texto.
Buscar mais conhecimento, universitário ou não, é uma dica para não ficar para trás. E, já que não dá para competir com as máquinas na rapidez de operações mecânicas, o melhor é aprimorar competências como criatividade e capacidade de inovar.
"Não adianta só investir em habilidades relacionadas à tecnologia. Tem que aprender a trabalhar com colaboração, empatia, entender o que os clientes precisam", diz Kamakura.

more...
No comment yet.
Scooped by Luciano Sathler
Scoop.it!

Oportunidades aumentam para quem estuda ciência de dados

Oportunidades aumentam para quem estuda ciência de dados | Inovação Educacional | Scoop.it

Para analisar um número cada vez maior de informações disponíveis sobre clientes e produtos, empresas demandam um novo tipo de profissional, que une habilidade em programação e estatística a visão analítica: o cientista de dados.
Trata-se de uma das carreiras com mais potencial de crescimento, em indústrias diferentes, segundo pesquisa do LinkedIn sobre o mercado de trabalho dos EUA. De 2012 a 2017, o número de vagas foi multiplicado por 6,5 -a segunda profissão que mais cresceu, atrás apenas do engenheiro de machine learning.
Cenário parecido com o do Brasil: de acordo com o guia salarial de 2018 da consultoria Robert Half, o cientista de dados é um dos profissionais com mais oportunidades na área de tecnologia. Os salários, que neste ano ficam entre R$ 12 mil e R$ 22 mil, cresceram 15,25% desde 2017.
O papel desse cientista envolve aquisição, processamento e análise de dados para ajudar as empresas em tomadas de decisão, diz Dirceu Matheus Junior, professor da Faculdade de Computação e Informática do Mackenzie.
Sabendo as preferências de seus clientes, um supermercado pode prever suas compras futuras e orientar suas ofertas.
A demanda por extrair conclusões de bancos de dados sempre existiu, mas décadas atrás havia menos informações e poder de computadores para tratá-las, diz Fabrício Barth, cientista da IBM.
Foi em 2012 que o termo "ciência de dados" começou a ser utilizado. "Até os anos 2000 eram projetos mais voltados ao ambiente acadêmico, não havia projetos de larga escala. Agora as empresas têm investido muito na formação de equipes", diz Barth.
Cientistas de dados podem ter formações diferentes. Não há cursos de graduação na área no Brasil, mas ESPM, Mackenzie e FIA têm pós.
"A gente trabalha com profissionais heterogêneos porque os negócios são amplos. Temos biólogos, administradores, engenheiros, profissionais de marketing", afirma Matheus Junior.
Na ESPM, há cursos focados em várias áreas, mas que desenvolvem três habilidades em comum: programação, estatística e visão de negócios. "Com esses conhecimentos agregados à capacidade de comunicação você consegue ser um cientista de dados", diz Claudio Pinheiro, coordenador dos programas de pós da ESPM e cientista de dados.
Há uma pequena diferença entre cursos de big data e de ciência de dados. Os primeiros dão mais ênfase a tecnologias para tratar dados e têm menos estatística e trabalho com algoritmos preditivos, foco dos cursos de ciências.
Essa parte técnica pode ser desenvolvida por conta própria por meio de cursos online ou até competições de programação pela internet, diz Renato Vicente, cientista de dados da Serasa Experian e professor de matemática na USP. Mas a profissão envolve mais que isso: é preciso saber fazer as perguntas certas para os dados disponíveis.
Carreiras ligadas à inteligência artificial
O básico é ter formação científica. Você deve ter a postura de um cientista olhando para dados de experimentos de um fenômeno físico, mas com dados de negócios”, diz 
"O básico é ter formação científica. Você deve ter a postura de um cientista olhando para dados de experimentos de um fenômeno físico, mas com dados de negócios."
A palavra cientista diz muito sobre o trabalho: "É preciso criar uma hipótese, desenhar um experimento e rodá-lo para validar ou refutar", diz Carlos Souza, diretor-geral da escola virtual Udacity.
A procura pela formação nessa área cresceu a partir do meio de 2017, diz Souza. Hoje, é o segundo curso mais popular da escola de tecnologia, atrás de marketing digital.
Esse interesse segue a demanda, maior que a oferta. Para contratar um cientista, a Serasa Experian leva dois meses, por exemplo. A empresa testa os potenciais funcionários: dá um conjunto de dados e uma questão relacionada a negócios para ser resolvida em casa. Quem der boas respostas vai para a fase presencial.
"Há uma demanda grande, e o sistema educacional não consegue formar o número necessário de pessoas. Tem muitas vagas", diz Vicente.
A Gympass, empresa que vende planos de academias, também encontra essa dificuldade. Em 2017, tinha quatro cientistas de dados. Hoje, são oito e mais quatro devem ser contratados até o fim do ano, diz Renato Bassi, responsável pela área de talentos.
Essa situação levou André Luiz da Costa, formado em economia, a mudar da área comercial para a de inteligência de negócios na Gympass depois de fazer um ano de cursos na Udacity. "É uma área nascente no Brasil, com muito potencial."
O departamento de matemática da USP tem discutido a criação de um curso de ciência de dados. Outros países têm cursos de graduação na área, aponta Vicente. "Aqui estamos um pouco lentos."

more...
No comment yet.