Programa federal estimula criação de app de educação | Tecnologia da Informação | Scoop.it

Celulares sairão da fábrica com aplicativos nacionais instalados ou pré-instalados; na Apple, 24% deles serão educativos

A partir de agora, todos os smartphones produzidos no país deverão sair da fábrica com um pacote de pelo menos cinco aplicativos nacionais instalados ou pré-instalados no equipamento. Isso porque as multinacionais que produzem esses celulares inteligentes no país (Apple, Huawei, Motorola, LG, Positivo, Samsung e Sony) resolveram participar do Programa de Inclusão Digital, uma ação do governo federal que vai conceder isenção de impostos a aparelhos que custam até R$ 1.500. Como contrapartida à isenção tributária, o governo exige a inclusão de apps nacionais como forma de impulsionar a indústria brasileira. Espera-se que o preço final dos smartphones caia 7%, segundo o setor.

A medida foi bem recebida por desenvolvedores, já que, com a inclusão ou recomendação prévia dos aplicativos durante a instalação inicial do celular, as soluções criadas pelas startups chegará a mais gente. Para as empresas de edtech – tecnologia e educação –, a notícia foi ainda mais animadora. Ao considerar a cesta de aplicativos a ser inserida no pacote, a educação não deve ficar de fora. Ao analisar a proposta de aplicativos sugerida pela Apple e aprovada pelo governo, por exemplo, constata-se que dos 21 apps apresentados pela empresa (um número bem superior ao exigido pela norma do programa), cinco (ou 24%) são educativos. São eles: HandTalk, EnemQuiz, Concursos, Turma da Galinha Pintadinha e Bookishelf do Doki. Os demais são aplicativos utilitários de trânsito, finanças e lazer.


Via Luciano Sathler