Leio com certa preocupação que o “acordo” sobre a língua portuguesa ficará ainda em banho-maria até 2015