Linguagem Virtual
Follow
Find
24.6K views | +83 today
 
Scooped by Luciana Viter
onto Linguagem Virtual
Scoop.it!

Dinheiro para uma revolução


Em 1999, o americano Shawn Fanning, então um universitário de 18 anos, criou o Napster, serviço que permitia que pessoas trocassem arquivos de músicas entre si, pela internet, em vez de comprar CDs. Acuado por processos judiciais, o Napster durou apenas dois anos, mas seu legado, a tecnologia P2P ("peer to peer", em inglês, equivalente, basicamente, a cooperação entre pessoas com os mesmos interesses), sobreviveu em outros serviços de "torrent", como Kazaa, eMule e BitTorrent, que acabaram fazendo da troca de arquivos (músicas, filmes, livros, qualquer coisa) um hábito comum na internet.

Satoshi Nakamoto é candidato ao posto de Fanning. Com o mesmo princípio de troca de arquivos do Napster, sua criação, o bitcoin, é hoje a moeda digital de maior aceitação. Pizzarias nos Estados Unidos, bares na Alemanha e pequenos serviços no Brasil, além de uma infinidade de opções na internet, já recebem o dinheiro eletrônico como forma de pagamento. Um bitcoin chegou a valer US$ 256 (R$ 581) em abril, no auge de uma bolha especulativa.

Há resistências, especialmente por parte de órgãos reguladores americanos, à expansão das transações com moedas virtuais. Mas também há iniciativas com que se pretende validar essa espécie de dinheiro alternativo, como a dos irmãos Cameron e Tyler Winkle - conhecidos por terem processado Mark Zuckerberg, a quem acusam de lhes ter roubado a ideia do Facebook -, que na semana passada deram entrada a pedido de autorização, junto a órgãos reguladores americanos, para criarem um fundo de investimentos lastreado em bitcoins. Calcula-se que eles possuam US$ 11 milhões em bitcoins. E a maior corretora de bitcoins do mundo, a japonesa Mt.Gox, apresentou ao Departamento do Tesouro dos EUA pedido de registro como empresa de serviços financeiros, para submeter-se, assim, à legislação sobre lavagem de dinheiro.

"O bitcoin libera o dinheiro mais do que o Napster liberou a música", diz o inglês Amir Taaki, de 25 anos, um dos programadores que trabalhou na melhoria do código do bitcoin a convite de Nakamoto. "É uma ferramenta de revolução. As pessoas fazem negócios diretamente umas com as outras, sem impostos ou taxas de bancos."

Dinheiro digital não é uma novidade. Há dez anos, dólares linden circulam no mundo virtual Second Life. Na China, milhões de pessoas compram no comércio com os QQ coins, do gigante de internet Tencent. No entanto, assim como os créditos do Facebook e alguns programas de pontos, como o dotz, sempre há alguma empresa no controle. A diferença para o bitcon, que Nakamoto criou em 2009, é sua essência anárquica. Não há banco central ou governos envolvidos. O mercado é livre.

Trata-se de códigos, transmitidos diretamente de usuário para usuário. Uma forma de obter bitcoins é participar da sua "mineração", baixando um software e cedendo processamento do computador para ajudar a decifrar um bloco de códigos. Quem decifra primeiro o enigma recebe um lote de 25 bitcoins (equivalentes a R$ 5 mil, pela cotação média dos últimos 30 dias). Também é possível comprar de outra pessoa ou em corretoras que negociam a moeda virtual.

O dinheiro fica guardado em uma carteira virtual, seja numa corretora ou no próprio computador do usuário. Como as notas em papel, cada bitcoin tem um código que o identifica como verdadeiro. Quando alguém quer vender, negocia direto com o comprador e o bitcoin sai da carteira de um para a do outro assim que o pagamento é confirmado. Cada operação é registrada em um livro-caixa virtual, que é aberto, para evitar fraudes, mas compradores e vendedores permanecem anônimos.

Criar algo assim era o que os "cyberpunks" (algo como punks fãs da criptografia) buscavam nos primeiros anos da internet: um dinheiro virtual confiável, impossível de rastrear, livre para circular em um mundo conectado e sem controle de governos ou taxas bancárias. Nos anos 1990, surgiu o ecash, que até hoje é usado. Houve ainda o bit gold, o b-money e o RPOW. Todas as iniciativas fracassavam, no entanto, em resolver o problema do "duplo gasto". Se o dinheiro virtual é só um arquivo, como impedir que seja copiado e usado infinitas vezes sem alguém no controle?

Em janeiro de 2009, quando a moeda surgiu, 10 mil bitcoins, que hoje valem R$ 2 milhões, serviam para comprar uma pizza

Nakamoto surgiu com a solução: uma rede de computadores produzindo bitcoins sem interferência de ninguém e um livro-caixa que elimina a necessidade de uma autoridade: todos podem consultá-lo e saber a situação de cada arquivo negociado. Ninguém havia ouvido falar dele até que, em 2008, publicou numa lista de e-mails sobre criptografia um artigo com os fundamentos do bitcoin. O sobrenome é tão comum no Japão quanto Silva no Brasil. Por isso, ninguém acredita que seja verdadeiro. Nem mesmo seria só uma pessoa e sim a equipe que criou a moeda digital. Ou uma empresa - o Google é sempre citado - interessada numa forma de dinheiro que circule facilmente no mundo todo.

Jornalistas e fãs tentam resolver o mistério. Fóruns sobre o bitcoin interpretam o inglês dos e-mails de Nakamoto em busca de sua nacionalidade.

No caso de ser uma só pessoa, oculta sob pseudônimo, o principal suspeito é Jed McCaleb, criador do serviço de compartilhamento de arquivos eDonkey e ex-dono da corretora japonesa Mt. Gox, que concentra 60% das transações de bitcoins no mundo. McCaleb também é criador do ripple, moeda virtual que muitos consideram uma provável substituta do bitcoin. Outro suspeito, pelas expressões britânicas nos e-mails de Nakamoto, é o irlandês Michael Clear, estudante de ciência da computação do Trinity College, em Dublin. Dois anos atrás, a revista americana "New Yorker" apostou nele.

Um terceiro suspeito, segundo Ted Nelson, criador do termo "hyperlink", é o professor Shinichi Mochizuki, do Instituto de Pesquisa em Ciências Matemáticas da Universidade de Kyoto, no Japão. Em 2009, Mochizuki, um acadêmico excêntrico que escreve apenas no próprio blog, publicou um artigo, "Curvas elípticas aritméticas na posição geral", com os pressupostos teóricos que o bitcoin veio provar. Os dois primeiros negam ser Nakamoto. Mochizuki não respondeu aos pedidos de entrevista.

O primeiro lote de bitcoins foi produzido em 11 de janeiro de 2009. Eram necessários 10 mil bitcoins, que hoje valem R$ 2 milhões, para comprar uma pizza pela internet. Desde então, a moeda passou por duas bolhas especulativas, em 2011 e no primeiro trimestre deste ano. Na última, suspeita-se que tudo começou com o boato de que o governo do Chipre iria congelar contas bancárias para conseguir pagar a dívida do país. Houve uma corrida ao bitcoin por europeus, preocupados com a possibilidade de seus governos fazerem o mesmo. Um bitcoin, que valia US$ 10 em janeiro, chegou a US$ 256 em 4 de abril, quando houve o estouro da bolha. Nos últimos três meses, a cotação de um bitcoin se manteve na faixa entre US$ 100 e US$ 120.

A cada dez minutos, um novo lote de bitcoins é distribuído. São 150 (R$ 30 mil) por hora ou 3,6 mil (R$ 720 mil) por dia. No início, qualquer pessoa com um computador comum podia resolver o enigma e ganhar seu lote da moeda. Hoje, o grosso dos novos bitcoins vai para garimpeiros profissionais e sua grandes máquinas - torres de processadores vendidas por até R$ 50 mil - criadas só para a "mineração". E ainda há a concorrência dos botnets, vírus que fazem computadores trabalharem em rede para ganhar bitcoins.

O planejado é que em 2140 haverá 21 milhões de bitcoins e então a produção cessará. Esse é um aspecto do projeto que empolga economistas. O bitcoin foi criado para ser escasso e imune à inflação. "Não é uma moeda no sentido convencional. É mais como um ativo, como se fosse ouro, uma TV ou qualquer mercadoria", diz Rodrigo Batista, sócio da Mercado Bitcoin, uma das poucas corretoras no Brasil a negociar o dinheiro digital. "Não há uma garantia no mundo real, como no caso do ouro ou qualquer outro metal. Mas o lastro de todo o dinheiro, não só o virtual, é cada vez mais etéreo".

"O mais incrível é que funciona", explica Taaki. "O bitcoin é mais do que dinheiro. É um sistema de contratos." A ideia é mais ou menos o que sustenta qualquer moeda desde que os Estados Unidos renunciaram ao padrão-ouro, que atrelava o dólar às reservas do metal, em 1971. Dinheiro é um contrato em que todos concordam que vale alguma coisa, sem nenhum lastro senão a garantia - e uma série de regras que combatem a volatilidade e a fraude - dos governos e da sociedade de que o portador de determinada quantia tem direito ao equivalente em mercadorias e serviços. O bitcoin retira os governos da equação. A confiança é entre indivíduos, sem intermediários.

O bitcoins é virtual, mas também têm representação física (foto): chegou a valer US$ 256 em abril, no auge de uma bolha especulativa, e hoje se mantém entre US$ 100 e US$ 120
Para Taaki, isso significa "revolução". Fora atacar o Estado, ele vê na moeda a chance de democratizar o acesso ao dinheiro a países em guerras e conflitos. "O PayPal bloqueia o acesso ao seu sistema em mais de 80 países, porque estão em guerra ou são ditaduras. Nossa meta é incluir as pessoas, não bloqueá-las", diz Taaki, enfant terrible da causa bitcoin que vem se tornando conhecido pelas declarações incendiárias. Já sugeriu que o bitcoin deixa a lavagem de dinheiro ao alcance dos cidadãos comuns, não só os mais importantes.

Em Kreuzberg, bairro de Berlim, essa utopia chegou ao mundo real. Fãs de tecnologia e ativistas podem pagar a conta com bitcoins em bares como Room 77. Os pagamentos costumam ser feitos via aplicativos de smartphones. Com 0,2 bitcoin, é possível, por exemplo, comprar um hambúrguer chamado Fidel Castro. "Quase todo dia alguém vem ao bar e paga com bitcoins", diz Joerg Platzer, dono da casa noturna.

Bitcoins também são o que o canadense Taylor More pede em troca de sua casa com vista para as montanhas na província de Alberta. "Minha casa está à venda por bitcoins", comunicou em um anúncio na internet. Ele pede 5.362 bitcoins (algo como R$ 10,6 milhões, pela cotação média do bitcoin nos últimos 30 dias). "Espero que seja o primeiro imóvel vendido com bitcoins. Isso talvez ajude a moeda a ser mais aceita", diz More.

Em abril, um americano, morador do Texas, vendeu seu Porsche por 300 bitcoins (R$ 60 mil). No início do mês, foi a vez de um casal de americanos pagar com a moeda a clínica que congelou seus embriões.

Além de Satoshi Nakamoto, que, especula-se, possui US$ 300 milhões em bitcoins, outros nomes têm-se se destacado no mercado da moeda virtual, nos últimos tempos, com apostas de vulto em suas perspectivas. É o caso dos irmãos Cameron e Tyler Winklevoss, com seus presumidos US$ 11 milhões em bitcoins, adquiridos quando cada unidade valia US$ 7. Pretendem agora criar um fundo de investimentos lastreado em bitcoins, para venda de cotas de participação. Peter Thiel, co-fundador do PayPal, lidera um grupo de investidores que pôs dinheiro no BitPay, serviço de pagamentos em bitcoins.

Essa investida de grandes interesses no mercado de bitcoins, que já vale US$ 1,3 bilhão, segundo estimativas, desafia sua essência anarquista. "Se poucas pessoas controlarem a maior parte dos bitcoins, isso tiraria da moeda [provavelmente supervalorizada e submetida a circulação restrita] a liberdade de oscilar", diz Batista, da Mercado Bitcoin. Seria o contrário do que se espera do dinheiro."

Se a maioria das pessoas pode ver tudo isso como um experimento econômico interessante ou ficção científica, para os governos é perturbador. Quando os Estados Unidos tentaram fechar o site Wikileaks, após o vazamento de informações sobre a guerra no Iraque, em 2010, e os bancos e empresas de cartões de crédito aceitaram não repassar dinheiro para Julian Assange, doações em bitcoins permitiram a sobrevivência do site. Grupos de hackers como o LulzSec, que vaza informações de governos, bancos e corporações, também se financiam com bitcoins.

Numa situação-limite, o bitcoin põe em xeque a capacidade de Estados se financiarem. Sem o controle do dinheiro, não há como cobrar impostos. Ou fazer guerras. E também não há como oferecer serviços. A reação, nos Estados Unidos, é ver o bitcoin como uma ameaça. O FBI cita o risco de a moeda ser usada na lavagem de dinheiro. No Silk Road, um mercado on-line situado na "deep web" - endereços na internet que não aparecem nas buscas de serviços como o Google -, drogas são negociadas livremente. Os preços estão em bitcoin e as transações são anônimas. Bitcoins também são a forma de pagamento mais aceita nos sites que oferecem todo tipo de crimes: de senhas roubadas do PayPal a assassinatos por encomenda.

Os irmãos Cameron e Tyler Winklevoss, donos de presumidos US$ 11 milhões em bitcoins, pretendem instituir um fundo de investimentos lastreados na moeda virtual
"As redes internacionais estão infestadas de hackers e crackers e, assim como no mercado futuro de derivativos ou na área de saúde hospitalar, há 'lixo tóxico' no sistema", explica o professor Gilson Schwartz, da Escola de Comunicação e Artes da USP. Em sua opinião, governos deveriam combater os crimes sem combater o bitcoin, cujo caráter libertário elogia.

É o sinal dado pela Commodity Futures Trading Commission (CFTC), dos EUA, que estuda aplicar regras ao bitcoin. Mesmo que um integrante da comissão tenha chamado a moeda de "dinheiro das sombras", a regulação seria uma forma de reconhecimento da importância do dinheiro digital e afastaria parte dos criminosos.

Ainda não se falou nos ladrões. Ataques a serviços de armazenamento de carteiras virtuais aumentam no ritmo da valorização dos bitcoins. Vírus, se instalados no computador, roubam as carteiras virtuais, transferindo-as para outras pessoas, que permanecem anônimas. É possível acompanhar essas transações, mas a identidade dos ladrões permanece desconhecida.

"Quando você tem uma moeda altamente valiosa, completamente virtual e impossível de rastrear, naturalmente haverá roubos", admite Mikko Hypponen, pesquisador-chefe da empresa F-Secure e especialista em segurança na internet. "Se eu roubo uma carteira de bitcoins, não há maneira de o dono recuperar seu dinheiro. É como roubar dinheiro vivo." As falhas de segurança, ele acredita, acabarão resolvidas. O importante é que o código bitcoin em si até hoje não foi quebrado. "Minha aposta é de que as criptomoedas serão um sucesso".

No fim de março, o Mercado Bitcoin, principal serviço brasileiro de armazenamento de bitcoins, registrou o primeiro roubo no país. A empresa, que conta com cerca de 2 mil clientes, só voltou a operar em 7 de junho. Garantiu a devolução dos bitcoins a seus donos e anunciou a entrada de novos sócios no negócio. Em geral, as corretoras devolvem apenas uma parte do dinheiro roubado.

Mesmo o anonimato das transações não é totalmente garantido. Em 2011, investigando um roubo de 25 mil bitcoins, Fergal Reid e Martin Harrigan, pesquisadores da Universidade College Dublin, cruzaram dados e descobriram o ladrão. Reid e Harrigan mapearam redes de usuários e de transações e, usando outras informações, como doações feitas em bitcoins a um grupo anarquista e ao site Wikileaks, descobriram que tanto o ladrão como a vítima faziam parte do mesmo fórum. "O bitcoin não é inerentemente anônimo. É possível fazer transações de modo a esconder identidades, mas em muitos casos usuários e suas transações podem ser identificados", garante Reid.

Recentemente, o investidor Warren Buffet disse que não poria um centavo de sua fortuna na moeda. Paul Krugman, ganhador do Nobel de Economia, assegura que o furor em torno do bitcoin serviu de lição sobre como as pessoas têm concepções equivocadas em relação ao dinheiro. "Em especial, sobre como se deixam enganar devido a seu desejo de divorciar o valor do dinheiro da sociedade à qual o dinheiro serve", escreveu em sua coluna no "New York Times".

Mesmo que venha a durar, o bitcoin pode simplesmente ser substituído por uma versão mais avançada. Ideias não faltam. Moedas como a litecoin e o ripple, criadas a partir do código bitcoin, resolvem alguns problemas, como a quantidade limitada da moeda. Mas até os críticos reconhecem: o bitcoin valer algo já é um sucesso.

12.07.13
© Copyright Valor Econômico S.A. All rights reserved

more...
No comment yet.

From around the web

Linguagem Virtual
Teaching, Research, Technology. Ensino, Pesquisa, Tecnologia.
Curated by Luciana Viter
Your new post is loading...
Your new post is loading...
Rescooped by Luciana Viter from Las TIC en el aula de ELE
Scoop.it!

150 herramientas gratuitas para crear materiales didácticos on line

150 herramientas gratuitas para crear materiales didácticos on line | Linguagem Virtual | Scoop.it
más de 150 herramientas gratuitas para crear materiales didácticos on line
Generadores de cuadernos, libros y publicaciones digitales

Cuadernia online (Consejería de Educación y Ciencia d...

Via Raúl, Francisca Manchado Pérez, Mila Solà Marqués, Juergen Wagner
more...
Pilar Samaniego's curator insight, September 28, 12:10 PM

agregar su visión ...

Laura's curator insight, November 13, 7:19 AM

agregar su visión ...

Clara Monleón Pinto's curator insight, November 13, 7:31 AM

Las 150 herramientas, presentadas en este enlace,  para crear materiales didácticos on line facilitan y promueven la innovación en las clases.

Rescooped by Luciana Viter from HTML5 and CSS3
Scoop.it!

HTML5 Game Development

HTML5 Game Development | Linguagem Virtual | Scoop.it
Resources for develop games using HTML5, Javascript and WebGL. Some resources can be used for general game development.

Via Miriam Stenson
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Learning Technology News
Scoop.it!

Warmers and fillers for the online classroom - EnglishUp

Warmers and fillers for the online classroom - EnglishUp | Linguagem Virtual | Scoop.it

The online classroom can at times seem like a very cold space and building a supportive and friendly environment for students while getting a clear idea of their capabilities can be quite challenging. Having some zero preparation activities up your sleeve to get students speaking can be a real benefit. 


Via Nik Peachey
more...
Nik Peachey's curator insight, November 26, 5:02 AM

Some tips for worming up the online classroom.

Ricard Garcia's curator insight, Today, 3:00 AM

Usefuuuuuuul!!!

Rescooped by Luciana Viter from Effective Technology Integration into Education
Scoop.it!

Thinking Horizontally and Vertically About Blended Learning

Thinking Horizontally and Vertically About Blended Learning | Linguagem Virtual | Scoop.it
Blended learning has gone from being an interesting new hybrid of traditional and online courses to being an expected part of American education.

Via EDTC@UTB, Mark E. Deschaine, PhD
more...
Carlos Rodrigues Cadre's curator insight, November 26, 9:36 AM

adicionar a sua visão ...

Rescooped by Luciana Viter from Ferramentes digitals
Scoop.it!

Moodle Mobile - App para acceder a la plataforma Moodle desde dispositivos móviles

Moodle Mobile - App para acceder a la plataforma Moodle desde dispositivos móviles | Linguagem Virtual | Scoop.it

Moodle Mobile es la App desarrollada por la comunidad Moodle para facilitar el acceso a la plataforma Moodle desde dispositivos móviles.


Via Gumersindo Fernández, Reucover
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from @ONE for Training
Scoop.it!

Can digital badges increase capacity for online learning?

Can digital badges increase capacity for online learning? | Linguagem Virtual | Scoop.it
According to the ITC Distance Education Survey 2013, the number one challenge administrators face regarding distance learning faculty is ”engaging faculty in development of online pedagogy”.

Via Blaine Morrow
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Cambio Educativo
Scoop.it!

Inteligencia colectiva: un concepto más que activar (II Parte). - Innoemotion

Inteligencia colectiva: un concepto más que activar (II Parte). - Innoemotion | Linguagem Virtual | Scoop.it
Dentro de una esfera organizativa es importante comprender que la inteligencia colectiva no es un nuevo concepto, sino que forma parte inherente de un proceso social, en el cual se comparte y aporta un know how individual que se transformará con el tiempo en un conocimiento colectivo. De este modo, el saber colectivo es potenciado …

Via Belén Rojas
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Learning & Mind & Brain
Scoop.it!

Homework VS Facebook

Homework VS Facebook | Linguagem Virtual | Scoop.it

I noticed an interesting report on the BBC news website a month ago or so concerning a growing trend of excessive use of social media by school children while doing online homework. It states that many parents try and control their children but find it hard to regulate how they use the internet. I can hear many of you say the same as one parent who says:  “There have always been distractions. I can remember being told off for reading Jackie magazine inside my textbooks.”  So, has anything changed?

 

I agree with this statement and can remember quite vividly sitting reading the Beano myself rather than learning my times tables. However, technology has not only had an impact on education and the way we are taught and learn at school but also on many other parts of society and therefore our lives as a whole.

 

In order to understand why our children are becoming compelled to look at social media I think we must look at how they connect with this media.

 

 


Via Dr. Susan Bainbridge, Miloš Bajčetić
more...
Carlos Rodrigues Cadre's curator insight, November 25, 8:33 AM

adicionar a sua visão ...

Rescooped by Luciana Viter from DIGI-TOOLS - The Intersection of Tech Integration, Innovation, and Instruction
Scoop.it!

Free Technology for Teachers: Nine Popular Student Response Tools Compared In One Chart

Free Technology for Teachers: Nine Popular Student Response Tools Compared In One Chart | Linguagem Virtual | Scoop.it

Via WebTeachers, Dean J. Fusto
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Geek & Tech News
Scoop.it!

Intel and McAfee plan to kill PC passwords with new biometric authentication

Intel and McAfee plan to kill PC passwords with new biometric authentication | Linguagem Virtual | Scoop.it
McAfee software to log into Windows and websites will be available for download by year end

Via Jakarta Web Developer
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from 21st Century skills of critical and creative thinking
Scoop.it!

Study: Right-Brain/Left-Brain is a Myth, Creativity Exists in Both Hemispheres - Big Think

Study: Right-Brain/Left-Brain is a Myth, Creativity Exists in Both Hemispheres - Big Think | Linguagem Virtual | Scoop.it
It turns out that creativity resides within your brain's left hemisphere as well. This was among the findings of a new study determining that creative impulses require activity throughout the entire brain.

Via Creativity For Life, Lynnette Van Dyke
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from SteveB's Social Learning Scoop
Scoop.it!

What to Post & When to Post it on 9 Important Social Networks [Infographic]

What to Post & When to Post it on 9 Important Social Networks [Infographic] | Linguagem Virtual | Scoop.it
Posting to one or two social platforms for your business can be tricky. When you’re attempting to have a presence on nine or more, however, it becomes exceedingly difficult and time-consuming. How…

Via steve batchelder
more...
No comment yet.
Scooped by Luciana Viter
Scoop.it!

Así será la relación entre tecnología y pedagogía en el aula, según un estudio de aulaPlaneta y la UAB - Educación 3.0

Así será la relación entre tecnología y pedagogía en el aula, según un estudio de aulaPlaneta y la UAB - Educación 3.0 | Linguagem Virtual | Scoop.it
El estudio 'Tecnología y pedagogía en las aulas (Perspectivas 2014)' pone fecha a la introducción generalizada de dispositivos tecnológicos, servicios digitales y nuevos métodos pedagógicos en las aulas
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Web 2.0 for juandoming
Scoop.it!

50 recursos y herramientas importantes para bloggers (infografía)

50 recursos y herramientas importantes para bloggers (infografía) | Linguagem Virtual | Scoop.it
Una interesante infografía que nos presenta, de forma iconográfica, un total de cincuenta herramientas y recursos muy útiles para los bloggers.

Via evangelina chavez, juandoming
more...
evangelina chavez's curator insight, Today, 12:29 PM

Infografía que nos muestra hasta 50 herramientas y recursos de gran utilidad para los bloggers.

Rescooped by Luciana Viter from Robótica Educativa!
Scoop.it!

BE VOCAL: Characteristics of Successful Online Instructors


Via Dennis T OConnor, Jim Lerman, Mark E. Deschaine, PhD, Alfredo Calderon, juandoming
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from TELT
Scoop.it!

Photos For Class: Download Properly Attributed CC Images

Photos For Class: Download Properly Attributed CC Images | Linguagem Virtual | Scoop.it
Are you looking for a safe and easy way to find images for school reports? Just search and download properly attributed, copyright free images.

G Rated Images - Photos for Class uses Flickr safe search, and we do a little filtering of our own to help it out - Read More
Easy Attribution - When you click download, Photos For Class automatically cites the author and the image license terms - Read More
Creative Common Images - All images shown are to the best of our (and Flickr's) knowledge Creative Commons licensed for school use

Via Dennis T OConnor, Juergen Wagner, Shona Whyte
more...
Luciana Viter's comment, November 26, 5:29 AM
Extremely useful! Thanks for sharing!
Luciana Viter's comment, November 26, 5:29 AM
Extremely useful! Thanks for sharing!
Rescooped by Luciana Viter from Effective Technology Integration into Education
Scoop.it!

3 Myths of Flipped Learning

3 Myths of Flipped Learning | Linguagem Virtual | Scoop.it
Flipped Learning is a philosophy, not a method of teaching. It provides an approach where “students can learn information without the presence of a teacher”

Via Elizabeth E Charles, Mark E. Deschaine, PhD
more...
Lee SCHLENKER's curator insight, November 26, 3:05 AM

Flipped Learning is a broad pedagogical approach, to the point where it’s more of an approach to your thinking about Education

Rescooped by Luciana Viter from iGeneration - 21st Century Education
Scoop.it!

Ten Minutes of Connecting: Day 25 - You Have a Blog! Now What?

Ten Minutes of Connecting: Day 25 - You Have a Blog! Now What? | Linguagem Virtual | Scoop.it
Over the past few days we have spent time setting up a blogging site. Now it's time to start writing! There are many reasons why educators use blogs in their professional learning.  Today we will h...

Via Tom D'Amico (@TDOttawa)
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Inovação Educacional
Scoop.it!

Brasil deve fechar 2014 como 4º país com mais acesso à internet, diz consultoria

Brasil deve fechar 2014 como 4º país com mais acesso à internet, diz consultoria | Linguagem Virtual | Scoop.it

O Brasil deve ultrapassar o Japão e se tornar, neste ano, o quarto país com a maior população de usuários de Internet do mundo, segundo cálculos da consultoria de tecnologia eMarketer.
Até o final deste ano, serão 107,7 milhões de internautas no país, contra 99,2 milhões no ano passado.
Já em 2015 o mundo deve atingir pela primeira vez a marca de 3 bilhões de pessoas conectadas à Internet, o equivalente a 42,4% da população mundial. Até 2018, quase a metade do mundo vai acessar a web pelo menos uma vez ao mês, acrescenta a consultoria.
O forte crescimento foi impulsionado por dispositivos móveis mais baratos e mais conexões via banda larga, opina Monica Peart, analista-sênior do eMarketer.
"Enquanto mercados altamente desenvolvidos (de internet) estão quase saturados em termos de usuários de internet, há um espaço significativo de crescimento em países emergentes", afirma. "Tanto a Índia quanto a Indonésia devem ter crescimentos (percentuais) de dois dígitos anualmente até 2018."


Via Luciano Sathler
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Programação e Tecnologia
Scoop.it!

Usuários de Torrent são mais dispostos a pagar por conteúdo, afirma pesquisa

Usuários de Torrent são mais dispostos a pagar por conteúdo, afirma pesquisa | Linguagem Virtual | Scoop.it
Dados da BitTorrent Inc. mostram um percentual 170% maior de compras de músicas ou assinaturas de serviços digitais entre seus usuários em relação àqueles que não realizam downloads.

Via PHPapartirdo0
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Learning & Mind & Brain
Scoop.it!

Instructional Design Strategy for M-learning

Instructional Design Strategy for M-learning | Linguagem Virtual | Scoop.it
Most of the organizations are using mobile learning to improve the performance of their workforces. Mobile learning or mLearning is learning facilitated through mobile devices, and the learner need not stay at a fixed location to access mobile learning courses. Initially, mobile learning was viewed from the framework of eLearning. However, eLearning content and design cannot be adapted automatically to mLearning because of the variations in the screen sizes, layout of devices and compatibility of the output. Therefore, content for mobile learning courses to be viewed differently.

Via Miloš Bajčetić
more...
Richard P. Lo's curator insight, November 24, 7:11 PM
Check this out!
Rescooped by Luciana Viter from Teaching in the XXI Century
Scoop.it!

The Art of Smart: Creativity Proves Good for Growing Brains and Brains Growing Older

The Art of Smart: Creativity Proves Good for Growing Brains and Brains Growing Older | Linguagem Virtual | Scoop.it
Recently, I published an article with the Durango Telegraph about recent studies in neuroscience showing how the brain definitely benefits from doing art. Singing, dancing, painting, writing, riffi...

Via João Greno Brogueira
more...
No comment yet.
Rescooped by Luciana Viter from Las TIC en la enseñanza del español
Scoop.it!

21 Things Every 21st Century Teacher Should Do And Keep Their Sanity!

21 Things Every 21st Century Teacher Should Do And Keep Their Sanity! | Linguagem Virtual | Scoop.it
Being a "21st Century" teacher is still very much in vo…

Via Pippa Davies @PippaDavies , Ana Alonso
more...
Michael Millard's curator insight, October 29, 8:50 AM

Med lite fantasi och digitala verktyg kan undervisning och glädje kombineras.

Write on Sports's curator insight, October 29, 10:23 PM

love love love this!  Each thing is as important as the next!

Anica Petkoska's curator insight, October 30, 6:49 AM

Nice reminder

Rescooped by Luciana Viter from Learning & Mind & Brain
Scoop.it!

5 Heutagogical Tips to Empower Lifelong Learners Online

5 Heutagogical Tips to Empower Lifelong Learners Online | Linguagem Virtual | Scoop.it
This post is for educators and instructional designers who want to learn more about heutagogy and implement strategies that empower lifelong learners online. We’ll cover it all and leave you with five actionable tips to guide your instructional design process.

----------------------------------------------------------------------------------

With it’s roots in andragogy, heutagogy puts mature learners in the driver’s seat, as the final stop in the learning continuum. In Heutagogy and Lifelong Learning: A Review of Heutagogical Practice and Self Determined Learning, Lisa Marie Blaschke writes, “in a heutagogical approach to teaching and learning… Emphasis is placed on development of learner capacity and capability with the goal of producing learners who are well-prepared for the complexities of today’s workforce.”

-------------------------------------------------------------------------------------

Tip 1: Don’t Just Teach Content, Explain the Learning Process
Tip 2: Conduct a Needs Assessment
Tip 3: Offer Courses Asynchronously
Tip 4: Offer Bite-sized Learning
Tip 5: Enable Collaboration, Encourage Discussion


Via Miloš Bajčetić
more...
Raquel Oliveira's curator insight, November 24, 1:33 PM

Adoroooo discussão sobre eveoluçào da Andragogia 

Para um projeto educacional heutagógico, algumas premissas são essenciais:

1- Não preocupe-se em ensinar somente o conteudo. Inclua o processo de aprendizagem do tema.

2- Contemple um auto assessment

3- Ofereca cursos offline

4- Ofereca um pedacinho de aprendizagem como degustaçao

5- Permita colaboracao e encoraje discussão.

#avancee

Rescooped by Luciana Viter from Web Para Educadores
Scoop.it!

Create Killer Presentations with Explain Everything | Edudemic

Create Killer Presentations with Explain Everything | Edudemic | Linguagem Virtual | Scoop.it
Explain Everything is a whiteboard and screencasting app that makes creating interactive lessons a simple proposition. Its full-featured editing options and its import/export functions allow it to stand apart from the other competitors I tested. Read on to find out why the Explain Everything app’s educational focus, adaptability, and user engagement make it the best its kind.

Via John Evans, Lynnette Van Dyke, Rui Guimarães Lima, Jose Erigleidson
more...
CanopéTUIC02's curator insight, November 24, 4:15 AM

Une de mes appli préférée où l'élève rédige, commente, publie et présente son travail avec un temps de mise en oeuvre très rapide.