O modelo de organização pela colaboração, como o que estimulou os protestos no Brasil, ataca problemas cada vez mais complexos. O consultor Don Tapscott quer incentivá-lo. O trabalho em rede contraria em quase tudo o que a maioria de nós faz no trabalho, no dia a dia. Nas redes, não há rigidez na hierarquia, nem nas obrigações nem nas recompensas. Mesmo assim, o efeito multiplicador e quase imprevisível dessas entidades produz resultados notáveis. Grupos de indivíduos interessados e organizados conseguem criar softwares de alta qualidade, abastecer de fundos empresas novatas que tenham bons projetos e resolver desafios tecnológicos propostos publicamente por grandes companhias. Nos negócios e na solução de problemas tecnológicos, as redes já provaram seu valor. Terão o mesmo efeito diante de problemas sociais e políticos, bem mais complexos?