Espaços Multirreferenciais de Aprendizagem
211 views | +0 today
Follow
Espaços Multirreferenciais de Aprendizagem
Espaços de combate à exclusão sócio-cognitiva, territórios criativos de produção de inovação em rede
Curated by Ana Lucia Lage
Your new post is loading...
Your new post is loading...
Scooped by Ana Lucia Lage
Scoop.it!

A REDE COMO ESPAÇO MULTIRREFERENCIAL DE APRENDIZAGEM

A REDE COMO ESPAÇO MULTIRREFERENCIAL DE APRENDIZAGEM | Espaços Multirreferenciais de Aprendizagem | Scoop.it
Ana Lucia Lage's insight:

Compartilho com vocês a minha tese de Doutorado, defendida há dois meses e em processo de revisão para publicação como livro.

 

A REDE COMO ESPAÇO MULTIRREFERENCIAL DE APRENDIZAGEM

Construção do conhecimento na produção de inovação em TIC em um Instituto de Ciência e Tecnologia brasileiro 

 

RESUMO

A presente investigação toma como objeto a dinâmica dos processos de construção de conhecimento por uma comunidade epistêmica que produz inovação. Debruça-se sobre os aspectos contextuais e processuais subjacentes às práticas de colaboração em rede, que se articulam no cotidiano de produção de soluções de inovação para dispositivos móveis por uma equipe de projetos em um Instituto de Ciência e Tecnologia credenciado pelo MCT&I para atividades de P&D em TIC no escopo da Lei de Informática brasileira. Metodologicamente, adota-se uma abordagem etnográfica de 18 meses e observa-se no campo uma dinâmica que transcende o contexto profissional e se estende ao âmbito acadêmico e a espaços virtuais, constituindo um lócus sociocultural onde se articulam intencionalmente atividades intensivas de aprendizagem e trabalho, de construção de conhecimento e produção de inovação. As atividades dos participantes se dão, simultaneamente, presencialmente e em espaços virtuais na internet, e são enriquecidas mutuamente pela interação dos sujeitos e pela circulação de ideias entre diferentes espaços, em uma dinâmica que desafia as fronteiras entre comunidades concretas e virtuais, e entre espaços de aprendizagem e trabalho. Uma cartografia e análise do campo, utilizando o software Gephi, permite a identificação de sua forma de organização como uma rede de redes de colaboração (profissional, acadêmica, de coautoria, virtual). Dentro de uma perspectiva epistemológica de visada multirreferencial – a da Análise Cognitiva –, se realizam múltiplas análises. Buscam-se apreensões dos processos de construção de conhecimento desta comunidade, de suas estratégias de interação e aprendizagem, a partir da concepção de cognição social. Na busca de compreensão do papel da mediação tecnológica nos seus processos de construção de conhecimento, são identificadas as maquinarias de conhecimento específicas da cultura epistêmica de Ciências da Computação colocadas em movimento por esta comunidade. Toma-se então o referencial da teoria ator- rede em um relato de uma inovação, da sua concepção à sua consolidação em patente e artigo científico. A análise de registros das atividades dos sujeitos e de entrevistas realizadas permite identificar aspectos da mediação tecnológica emergentes do campo. Identifica-se a web, seus espaços virtuais, seus dispositivos tecnológicos, como elementos estruturantes e potencialmente constitutivos dos processos cognitivos dos membros desta comunidade, ao tempo em que se constata que os processos de construção de conhecimento, de produção de inovação e de constituição dos sujeitos, de suas subjetividades ocorrem simultaneamente e se referem mutuamente. Identifica-se assim um complexo de associações interrelacionadas que propiciam a construção de conhecimento, que não se reduz, não é limitado a quaisquer dos elementos em rede – ambientes, artefatos, dispositivos, sujeitos, instituições – e que se enriquece e enriquece tais elementos, enquanto os extrapola. Enquanto esta pesquisa dá visibilidade a aspectos relevantes das práticas epistêmicas no campo de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) em Institutos de Ciência e Tecnologia (ICT), a elucidação de tais processos de construção de conhecimento delineia a rede como um território criativo de produção contemporânea de inovação – um espaço multirreferencial de aprendizagem.

 

Palavras-chave: Inovação. Cognição social. Comunidades científicas. Culturas epistêmicas. Teoria ator-rede. Análise cognitiva.

 

Disponível no Repositório Institucional da UFBA http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/12864 .                     

more...
No comment yet.
Scooped by Ana Lucia Lage
Scoop.it!

Análise Cognitiva e Espaços Multirreferenciais de Aprendizagem

Análise Cognitiva e Espaços Multirreferenciais de Aprendizagem | Espaços Multirreferenciais de Aprendizagem | Scoop.it
Ana Lucia Lage's insight:

Será lançada no próximo dia 20 de agosto, na Escola Polécnica da UFBA, o livro Análise cognitiva e espaços multirreferenciais de aprendizagem. A coletânea de mais de 40 textos, publicada pela EDUFBA, é resultado de diversas pesquisas orientadas por Teresinha Fróes Burnham na REDPECT – Rede Cooporativa de Pesquisa e Intervenção sobre (In)formação, Currículo e Trabalho e na linha de pesquisa  CAOS – Conhecimento: Análise Cognitiva, Ontologia e Socialização.

 

A Análise Cognitiva é (re)significada como um campo de caráter multirreferencial e, portanto complexo, de trabalho com / sobre o conhecimento e seus imbricados processos de construção, organização, acervo, socialização, que inclui dimensões entretecidas de caráter teórico, epistemológico, metodológico, ontológico, axiológico, ético, estético, afetivo e autopoiético e que visa o entendimento de diferentes sistemas de estruturação do conhecimento e suas respectivas linguagens, arquiteturas conceituais, tecnologias e atividades específicas, com o propósito de tornar essas especificidades em lastros de compreensão mais ampla deste mesmo conhecimento, com o compromisso de traduzi-lo, (re)construí-lo e difundi-lo segundo perspectivas abertas ao diálogo e à interação entre comunidades vinculadas a esses diferentes sistemas, de modo a tornar conhecimento público todo aquele de caráter privado que é produzido por uma dessas comunidades, mas que é também de interesse comum a outros grupos / comunidades / formações sociais mais amplas. (FRÓES BURNHAM, 2012b, p. 52)

 

Fruto de uma pesquisa que buscava compreender as articulações entre educação e trabalho, a noção de espaços multirreferenciais de aprendizagem foi cunhada originalmente por Teresinha Fróes Burnham  artigo “Sociedade da informação, sociedade do conhecimento, sociedade da aprendizagem: implicações ético-políticas no limiar do século” (FRÓES BURNHAM, 2000). Recentemente, no artigo “Espaços multirreferenciais de aprendizagem: lócus de resistência à segregação sóciocognitiva” (FRÓES BURNHAM, 2012c), a autora amplia a conceituação destes espaços, onde realizam-se atividades intensivas em conhecimento, através de processos de produção / troca de saberes / práticas, difusão de informações, desenvolvimento de técnicas e tecnologias, construção de etos, éticas e estéticas significativos para as respectivas comunidades. Essas atividades são fundamentadas em diferentes sistemas de produção / organização do conhecimento: ciência, tecnologia, arte, religião, mito, mística, literatura, senso comum, prática...; entretecidas por uma multiplicidade de linguagens: verbal, icônica, sonora, musical, gestual, mímica, plástica, cinestésica [...]; e orientadas por uma vasta gama de visões de mundo, ideologias, valores, crenças, normas, padrões, trazidas de outros múltiplos espaços – da família, do trabalho, da igreja, da escola, das relações cotidianas, dos relacionamentos sociais presenciais ou virtuais, dos vínculos artístico-culturais (FRÓES BURNHAM, 2012c, pp. 113-114).

 

Faz parte da coletânea o artigo LAGE, Ana Lúcia; FRÓES BURNHAM, Teresinha; MICHINEL, José Luis. Abordagens epistemológicas da cognição: a análise cognitiva na investigação da construção de conhecimento. 

more...
Ana Lucia Lage's comment, May 16, 2015 5:06 PM
O livro Análise Cognitiva e Espaços Multirreferenciais de Aprendizagem, produto do grupo de pesquisa REDPECT/CAOS do Doutorado em Difusão do Conhecimento da UFBA, lançado em agosto de 2013, agora está disponível para acesso livre no RI da UFBA (https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/16810?mode=full).