consumismo entre mulheres,afrodescendentes e homossexuais
21 views | +0 today
Follow
consumismo entre mulheres,afrodescendentes e homossexuais
consumismo entre mulheres afrodecendentes e homossesuais
Your new post is loading...
Your new post is loading...
Scooped by ingrid tomazetti
Scoop.it!

Bookmarklet | Scoop.it

Bookmarklet | Scoop.it | consumismo entre mulheres,afrodescendentes e homossexuais | Scoop.it

Crescimento do mercado afro-descendente.

O Brasil é um País com ampla diversidade étnica e cultural. Conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios que o IBGE realizou em 2004, 51 % da população brasileira se declara branca e 48% parda ou negra. A Região Sul tem o maior índice de brancos: 83% da população.

Segundo o Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais ¬IBMEC-RJ, os pardos e negros representam 15% dos brasileiros que pagam Imposto de Renda no Pais. Entre os ricos brasileiros (1 % da população), os pardos e negros representam 9,17%.

Já segundo o Ipea – Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas, a classe média negra brasileira cresceu 10% entre 1992 e 1999 (período do estudo), chegando a representar um terço da classe média brasileira.

Tendo em vista qualquer um dos índices, é certo que começa a se perceber no Brasil um crescimento na renda e no poder de compra entre os pardos e negros, o que determina o crescimento de um mercado afro-descendente. Isso pode lastrear um sem-número de novos negócios voltados a essa parcela da população. Há espaço para pequenos empreendimentos nesse florescente mercado, que ainda não foi percebido pela maioria das grandes empresas.

more...
No comment yet.
Scooped by ingrid tomazetti
Scoop.it!

Bookmarklet | Scoop.it

Bookmarklet | Scoop.it | consumismo entre mulheres,afrodescendentes e homossexuais | Scoop.it

Mulheres lideram o consumo no Brasil
Elas são maioria quando considerados alto poder de compra, bons salários e crédito.

Uma pesquisa da Serasa Experian divulgada nesta segunda-feira (8) revela que as mulheres lideram o consumo no Brasil: elas são maioria quando considerados o alto poder de compra, os bons salários e a ampla atividade de crédito no país.
- Elas lideram em dois dos três grupos mais abastados da população.

O Estudo Especial Serasa Experian Dia Internacional da Mulher dividiu a sociedade em dez grupos, que contemplam 39 segmentos formados em função da renda, geografia, demografia, padrões comportamentais e estilo de vida, explica o relatório.

- É uma classificação mais precisa que a de classes A, B, C, D ou E.
A pesquisa aponta que existem 4,9 milhões de mulheres ricas e prósperas, sendo que 1,15 milhão são profissionais das grandes cidades, com carreiras estáveis, bons salários e que recorrem ao crédito com frequência.

Outras um milhão são pessoas ricas, sofisticadas e influentes - o grupo mais poderoso do Mosaic -, sendo 611 mil empresárias de sucesso das grandes cidades, que vivem em áreas nobres com luxo e conforto, e 340 mil executivas e formadoras de opinião.

Além disso, outras 972 mil são mulheres maduras, com alto grau de instrução e ótima renda, que optaram por conforto e qualidade de vida.

 

more...
No comment yet.
Scooped by ingrid tomazetti
Scoop.it!

Bookmarklet | Scoop.it

Bookmarklet | Scoop.it | consumismo entre mulheres,afrodescendentes e homossexuais | Scoop.it
O poder de consumo do público gay está em crescimento. Com esse mercado ascendente, mais empresas buscam investir no setor e contratam serviços especializados, como os da “Bureau de Negócios GLS”.

Desde 1998, a empresa é especializada em oferecer consultoria de mercado e treinamento para empresas privadas e órgãos do governo que tenham interesse no público GLS.

De acordo com informações do Bureau, o mercado gay é responsável pela movimentação de grandes quantias. Um levantamento feito pela Witeck-Combs, divulgado no site Gay Brasil, aponta que o mercado GLS norte-americano tinha o poder aquisitivo de US$ 660 bilhões em 2007 e chegará aos US$ 835 bilhões em 2011.

Segundo o site Gay Brasil, no Brasil, os consumidores gays são representados por 9,2 milhões de pessoas, isso quando se conta apenas os homossexuais economicamente ativos, que gastam cerca de 100 bilhões de dólares anuais, juntos.

Franco Reinaudo, presidente da Associação Brasileira de Turismo GLS (ABRAT GLS), afirma que o poder de consumo do público gay é resultado de uma série de características. “Um dos fatores principais é que os casais homossexuais não têm filhos, então, os gastos que teriam com fraldas e escolas são revertidos para cultura, lazer e turismo. Seria o mesmo perfil de um casal heterossexual sem filhos”, afirma Franco, que garante que os turistas gays gastam 30% a mais que os heterossexuais, facilitando o crescimento desse “poder de consumo”.

“Nos países desenvolvidos já é uma questão natural. Aqui no Brasil, a gente ainda tem gestões nas empresas palpadas com questões formais. O segmento representa mais de cem milhões de dólares de poder de compra. Complicado você imaginar que alguém não olhe esse segmento como negócio. É quase burrice”, se diverte Reinaudo.

O presidente da Associação conta também que o trabalho para investir no público gay ainda é tímido, mas muitas empresas têm realizado bons projetos. “É de dentro para fora, tem algumas empresas que dentro do ambiente de trabalho já têm políticas de inclusão dessa minoria sexual, como a IBM, Banco do Brasil, Microsoft e a própria Caixa Econômica Federal, que já investe em publicidade para o segmento, patrocinando a Parada Gay de São Paulo e desenvolvendo alguns produtos e serviços”, diz.
Apesar de pequeno, o trabalho já consegue gerar alguns resultados. O preconceito diminui aos poucos e as empresas percebem a importância de acreditar neste público.

Fonte - MBPRess

more...
No comment yet.