Métodos quantitativos são um artefato para analisar fenômenos geográficos”; eis uma frase que seria facilmente murmurada nos anos 70, inclusive no Brasil, entre aqueles pensadores/pesquisadores de uma Geografia vista, finalmente, como ciência verdadeira. Elevar a Geografia ao mesmo patamar das ciências exatas, estabelecer os tão desejados “princípios gerais” das ocorrências observadas, todas as inquietações dessa natureza eram previsíveis dentro do círculo de pensadores engajados com a renovação metodológica.


Via Alexandre Marques de Aguiar