Leipzig: como o investimento em cultura pode mudar uma cidade | A REVOLUÇÃO DE DAVID A DELACROIX | Scoop.it

Após a reunificação da Alemanha, investidores da parte ocidental compraram uma antiga fábrica de Leipzig e a transformaram em um espaço para mais de 100 artistas contemporâneos. Muitos deles foram aclamados internacionalmente, no que ficou conhecido como o movimento da Nova Leipzig. O assunto é destaque no site Criaticidades. (Veja mais aqui: http://www.criaticidades.com.br/noticias/entenda-como-o-investimento-em-cultura-pode-mudar-uma-cidade/)

 

Em seguida, diversas galerias foram se instalar na cidade. Também foi criado um programa internacional de atração de novos talentos e ainda um investimento em educação que envolve palestras e workshops em escolas locais e também nas universidades. O financiamento de todo esse novo cenário foi realizado em parte pelo governo municipal, por fundos nacionais e também fundos europeus.

 

Leipzig é a maior cidade da região da Saxônia, com cerca de 500 mil habitantes. Em artigo para o site This Big City, a artista alemã Silvie Jacobi diz que os investimentos de longo prazo destinados à qualidade da educação artística e na alocação de espaço físico para os artistas foram fundamentais nessa estratégia.

 

Em pouco tempo, diz Jacobi, Leipzig atraiu colecionadores internacionais que participavam regularmente de feiras como a Art Basel e Frieze. Com a atenção do mercado de arte veio também uma cobertura internacional e um aumento de inserções de Leipzig nos circuitos turísticos europeus. (leia mais aqui, em inglês: http://thisbigcity.net/how-investment-in-cultural-infrastructure-put-leipzig-on-the-international-art-world-map/)

 

É interessante comparar a experiência de Leipzig, que fica a uma hora de Berlim, com a de Brumadinho, em Minas Gerais, no Brazil, onde está instalado o Instituto Inhotim. Em pesquisa recente, descobriu-se que Belo Horizonte, a uma hora de distância de Brumadinho, acaba absorvendo a maior parte do fluxo econômico e turístico dos que visitam Inhotim. Veja mais sobre esse assunto aqui: http://www.scoop.it/t/transversais/p/2735239957/inhotim-arte-contemporanea-e-impacto-regional


Via redação Transversais